quarta-feira, dezembro 31

lady sweet-candy-queen water

Disseram-me assim: “passa o último dia do ano como gostarias que fosse o ano inteiro”.
Queria passar o ano com essa amiga que está a um oceano de distância. Também queria passar o ano com amigos que estão a pular de coffee shops em peep shows como se andassem a saltitar sobre nenúfares. Mas como está tudo fora e eu fiquei cá dentro (e não me apetece seguir o slogan vá para fora cá dentro), estou a curtir o dia da melhor maneira possível. Fui tratar da garrafinha fashion para mim, mas como nem álcool me apetece (estou mesmo do contra, não dou hipótese), tenho aqui uma água de luxo 42Oe um copo de luxo e vou tratar-me como uma rainha. Que é assim que quero passar o ano.

Vou ter um 2009 maravilhoso e vocês também!
(confetis)
(sorriso)

terça-feira, dezembro 30

ler este post aos 40, quando me perguntar "mas porque é que não virei dondoca?"

É pena não termos um interruptor do amor. Seria óptimo poder enviar uma mensagem para o 3939 (“e nãaoo te esqueçaas! Para ligares ou desligares o teu interruptor do amor basta ligares o 39! 39!”) e subscrever o serviço (ainda que custasse 4 euros por semana), que a minha vida ficava bem boa. Toda esta rebuscada introdução para vos contar que há um moço bom nas horas e filho de boas famílias que anda a arrastar a asa para cima de mim mas, infelizmente, tô nem aí.


(teria piada dizer que tenho de ter muito mais cuidado com aquilo que desejo se não fosse da praxe ser sempre a última a perceber que algo se passa no mundo dos iogurtes - um rebuçado para quem se lembrar desta expressão)

E ultimamente o rapaz só mete o pé na poça. Hoje foi assim:

Eu - … Pois, ainda não sei onde vai ser…eu já me sinto em 2009 na verdade…às tantas fico a ver os fedorentos no sofá…
Ele – Hum…e não queres vir até ao Algarve? Vou sozinho no carro…e ias adorar a malta que vai…eu gostava que fosses…
Eu – Pois. Eu agradeço mas, sinceramente, não me apetece.
Ele – É pena…
Eu – Pois. Fica para a próxima. (que é o mesmo que dizer “Lá para 2010”)
Ele – Então…se não nos VIERMOS até lá… VIRMOS até lá… hum, cof, hum, um bom ano para ti.
Eu – (vermelha, depois roxa, depois azul, depois vermelhona) Obrigada. Para ti também.

Estou tão feliz por isto se ter passado ao telefone.
Eu não entendo porque é que fico corada até às orelhas pelas gafes dos outros.

disco, só em mixed drink


O fim do ano é já amanhã. Não faço a mais pálida ideia onde e o que estarei a fazer às 12 badaladas (parece que o último minuto tem 61 segundos, que bom).
E não me apetece rambóias. Nem enfiar-me num vestido de lantejoulas. Muito menos saltos altos, isso é que nem pensar.
O que eu queria mesmo com muita força era uma praia brasileira com muito povo, traje branco iemanjá e uma caipirinha ou duas. Mas, em princípio, não vai dar. Só se sofrer fortes alterações ao nível da percepção da realidade.

Vou tratar de adquirir uma garrafinha fashion. Amanhã ou logo se vê.

segunda-feira, dezembro 29

adenda ao post anterior

Às vezes consigo entender-me, mas é muito, muito, muito dificil. É preciso muito empenho em dias de sorte. Que Lady complicada. Foscasse.

Lá sossega um bocadinho quando fala na terceira pessoa.

domingo, dezembro 28

a negrito, as expressões mais lindas

O que é que uma rapariguinha Leão com ascendente em Leão faz num Sábado à noite quando está aborrecida e deprimida por estar com uma zona lombar refastelada de sacarose?
Vai à procura de directrizes astrológicas profissionais na internet.
Não cheguei a grandes conclusões sobre o meu futuro mas, encontrei um texto sobre as mulheres que nasceram sob este signo que quero guardar aqui, não vá um dia mais tarde estar na mesma circunstância - entediada e anafada e a precisar de um lifting no ego.
Mulher, se és Leão, vede com os teus próprios olhos o que um brasileiro qualquer disse sobre ti:

"A mulher de Leão é muita areia para o caminhãozinho de qualquer um.
Ela é uma jóia rara que não se encontra em qualquer lugar!
(até aqui tudo certo)

Existe algo na mulher de Leão que pode assustar os homens: sua popularidade com o sexo masculino! Poucas são as leoninas que não vivem cercadas por muitos amigos e não possuam uma coleção de ex-namorados. Se você é do tipo de homem que detesta saber que é o vigésimo a ocupar o coração de uma mulher, desista! E nem pense em tentar controlá-la ou forçar a barra para que jogue fora as fotos dos ex-namorados. Ela é de Leão e este signo detesta ser controlado ou governado. E ela não tem culpa de ter nascido com esta capacidade maravilhosa de aglutinar o sexo oposto ao seu redor!
(se assustei muitos homens não me parece que tenha uma vasta colecção de ex-namorados...ai, ai, senhor astrólogo. temos aqui uma séria contradição. já estou confusa.)

Se você sofre de complexo de inferioridade, a melhor coisa que deve fazer é esquecer esta "Rainha"!
(é verdade.)

O homem que espera que uma garota de Leão se ajoelhe para adorá-lo vai acabar dando com os burros na água, quando se trata da leonina! Fique feliz apenas com o facto dela permitir que a ame e fique do seu lado! Ela pode amar com muita paixão e intensidade, mas grande parte deste amor é direcionado para ela mesma! Se existe alguém que realmente se ama, esta pessoa é a leonina! Apesar desta frase parecer um tanto egoísta, ela não tem nada de egoísta. Esta mulher pode ser muito generosa, bondosa e compreensiva. O que ela faz é apenas deixar claro que nunca aceitará ficar em segundo plano!
(ou seja, eu sou um poço de mania ambulante sem capacidade de amar ninguém. estúpido de merda.)

Apesar de fazer cara de pouco caso quando ouve um elogio, ela simplesmente não pode viver sem eles! E, é muito importante de nunca se esquecer de alimentar seu ego. Mas, seja criativo! Ela não se emociona com frases feitas ou românticas. Não adianta dizer que a ama, que está perdidamente apaixonado! Isto funciona com outras mulheres.
Com ela o melhor é dizer: "Você é espetacular!!"
(isso meu bem. é que é isso mesmo. ha ha ha.)

Ela não é gananciosa ou uma mulher de coração frio e ambicioso. Ela só acha que se tem dinheiro para comprar um anel de brilhantes, por que vai dar um brinquinho de latão?
A leonina adora gastar com roupas, sapatos e geralmente seu gosto é excelente, apesar de um pouco caro.
(eu nem sou de ficar contente com pecinhas da H&M nem nada. receber um raminho de flores que há a 1.90 eur na Monceau Fleurs já era bem bom seu estúpido!)

Ela pode parecer meiga, ter maneiras delicadas e ser tão suave e calma que podemos pensar que se trata de uma mulher de Libra. Não se iluda! Deve ser apenas uma daquelas fases quando seu orgulho está adormecido. A mulher de Leão não tem nada de tímida ou submissa. Tente provocá-la um pouco para ver como ela volta a ser a Leoa de sempre!
(- Oh querido és tão fofi... [eh lá...querem ver que esta filha-da-mãe é uma balança?? - Parvalhão! Eu é que sei! [ah não. ufa. é Leoa sim senhor.])

A melhor maneira de viver ao seu lado é nunca querer vencê-la ou dominá-la, mas sempre estar ao seu lado de igual para igual! Mostre-se forte e capaz de vencer qualquer dificuldade na vida e ela vai adorá-lo!
(isso. bananas é que não.)

Em se tratando de sexo, é muito raro encontrar uma leonina que tenha algum tipo de dificuldade para conseguir prazer. O sexo para ela é um prazer e tudo que tem a ver com prazer consegue incendiá-la. Seu apetite sexual e sua desenvoltura na cama podem assustar alguns homens, mas ela não vai arredar um centímetro na busca daquele orgasmo!
(hum-hum. sou boa, boa, boa.)
Apesar de todo seu orgulho e vaidade, a leonina dificilmente é arrogante ou insuportável, como muitos poderiam supor.
(pois não, pois não.)

Na verdade ela costuma ser uma pessoa tão amável e carinhosa com as pessoas que ficam difíceis ver qualquer defeito nela. Os amigos nunca conseguem ver uma pessoa orgulhosa quando estão ao seu lado.
(uma jóia de moça. e boa, boa, boa.)
O que a gente vê é uma mulher com tanta autoconfiança que ficamos maravilhados. Seu magnetismo e charme conseguem derreter qualquer coração. Ela costuma ser um poço de bondade e nunca pensará duas vezes antes de fazer um sacrifício para ajudar um amigo que está em apuros!
(é verdade.)

É mais fácil encontrar chifre na cabeça de cavalo do que encontrar uma leonina que se deixe ver desarrumada.

Ela jamais vai se deixar ver vestindo um roupão velho ou os cabelos cheios de grampos e a cara coberta de creme! Na verdade, pouquíssimas são as leoninas que costumam ficar desarrumadas. Mesmo se estiver sozinha em casa ela vai preferir vestir um shorts novo ao invés de uma calça velha de moletom. Afinal, ela não se veste bem apenas para se mostrar bela para o mundo.
(hum. é verdade. só que hoje não conta)

Se está apaixonado por uma mulher de Leão, parabéns! Você tem uma mulher que sabe ser elegante, tem bons gostos, adora aventuras e sabe fazer amor como poucas. Ela não é do tipo que gosta de reclamar da vida ou fica deprimida facilmente. Todos os dias em que acordar e ver esta mulher ao seu lado, pode ter certeza de que é um felizardo que conseguiu conquistar uma das melhores mulheres do mundo. Sei que às vezes será um pouco duro lidar com seu jeito imponente e seu orgulho, mas os momentos de bom humor e optimismo farão com que sempre esteja pronto para levantar da cama e viver a vida com mais alegria!
(é verdade, eu sou mesmo a melhor das melhores. leão com ascendente em leão, imaginem o power de mulher que aqui está.)

terça-feira, dezembro 23

segunda-feira, dezembro 22

previsões 2009

Ainda não passei a consoada mas já estou a pensar em 2009. Ainda não sei onde e com quem como as 12 passas e faço um brinde mas já só penso em 2009. Ainda não dei o guarda-jóias em forma de coração das Princesas da Disney à minha afilhada (sim, sou madrinha!) e já só penso em 2009.

É que ando cá com umas ideias que vai ser um ano cheio de revoluções outra vez.

Previsão # 1 - Profissão

Volvidos seis meses, enchi o saco de ser Lady Croquete. Estou farta e estou-me nas tintas. Que isto de andar a passar a mão pelo pêlo de alguns, levar patadas de outros, sentir o cheiro das galináceas e de vez em quando lá receber uma chamada para passar ao senhor doutor ou coisa que o valha, não é nada coisa que eu queira para mim. Aprendi a lição do vale mais 900 euros na mão mas um trabalho que se adore do que 1000 euros na mão com seguro de saúde e subsídios de natal e de férias e um trabalho que se odeie.
Portanto esperam-me grandes chatices. Explicar isto aos meus pais e aos meus amigos mais capitalistas vai ser um inferno.

Previsão #2 - Dinheiro

Vou ter de economizar (ainda mais) capital. Tenho de comprar mais umas quantas coisas para o meu habitat mas, sobretudo, tenho um bilhete de ida-e-volta a comprar. Que eu hei-de ir ao Brasil.

Previsão # 3 - Saúde e bem-estar

Para começar a cumprir a previsão # 2 vou deixar o ginásio e mentalizar o seguinte mantra – “Não basta pagar a mensalidade do ginásio para tirar partido dos benefícios do exercício físico.” E das duas uma – ou faço as pazes com a minha bike ou passo a correr. Portanto (que clássico, meu Deus) no ano de 2009 vou criar o salutar hábito de ginasticar.

Previsão # 4 - Sorte

A necessidade de economizar tem um objectivo – educar o meu espírito, fortalecendo-o e enobrecendo-o com fortes valores, convicções e espírito de sacrifício. Na verdade eu vou ganhar o euromilhões e será uma soma que me permita (no mínimo) pagar todo o empréstimo ao banco.

Previsão # 5 – Crescimento pessoal

Vou tornar-me uma pessoa mais doce e sensível. E também ainda mais gira. Vou atrair energias positivas. Posso fazer mais amigos, mas isso não é importante. Importante é que não me falhem os que já tenho. Vou combater a preguiça e os ataques de necessidade caseira e vou sair muito mais. Vou continuar a investir em psicoterapia que estou a adorar esta coisa de descobrir coisas em mim que eu não sabia que existiam.

Previsão # 6 - Amor

Vou apaixonar-me à grande e estou-me nas tintas se vou ser correspondida ou não.

sexta-feira, dezembro 19

and now for something completely different...

...sou só eu ou isto é ideia de alguém muito mais idiota (mas muito mais) do que nós todos juntos?


o meu 1º poema

Oh! como é bom
fazer o que nos dá na telha,
no Toys ‘r Us
em pleno fervor natalício,
ignorando os olhares medrosos das púdicas mães,
desafiando as leis e a moralidade.

Oh! como é bom
nunca ter tido um Nenuco na vida
mas ter sido muito feliz
com uma Cabagge Patch,
e reecontrá-la no Toys ‘r Us
e ficar emocionada
a pontos de sentir desejos de comprar uma,
para uma futura filha,
com medo que depois na altura não haja.

Não sou nada normal!
Mas Oh como é bom!

quarta-feira, dezembro 17

ofereço-vos com todo o gosto


Querem um presentinho meus bébés? Querem? Sim?

E que tal se fosse um vídeo, onde eu aparecesse com um outfit Jane Fonda? Algodão só nas canelas, o resto toda eu só lycras mais-ou-menos brilhantes, o cabelo devidamente eightie’s-zado. E se nesse video, e com esse outfit, mostrasse a minha melhor habilidade no mundo do workout?

Os meus amigos não me deixam mentir – eu aguento o tempo que quiser com o hula-hoop, e em diferentes velocidades rotativas. A minha mestria com as ancas e o meu jogo-de-cintura é tal, que o meu pai fica sempre com cara de cócó quando mostro a minha habilidade em confraternizações familiares. É que dá cabo de qualquer ambiente digno ou assim-assim. Eu tenho poucas qualidades, mas as que tenho são estrondosamente fixes e agitam a cabeça de muitos. Eu sei que converto o cérebro dos observadores desta prática em algo parecido com um compal de morango.

Se quiserem e pedirem muito, nesse vídeo também posso acompanhar a suave, erótica mas divertida rodagem das ancas e parte superior do tórax (consultar videos no youtube - pesquisar por “Shakira”) com uma canção à vossa escolha OU interjeições de surpresa/ espanto/ admiração/ prazer.

Para tal basta preencherem o cupão acima e enviarem por e-mail para o ladyohmygod@gmail.com, junto com o vosso donativo para o NIB que enviarei a quem perguntar por ele. Assim que a Campanha LADY IS BETTER THAN FONDA fizer chegar à minha conta 249,99 eur, compro uma Nintendo Wii para poder exemplificar convenientemente tudo isto de que vos falo.
A compra da webcam, a captação de imagens e o lançamento do referido vídeo neste blogue será da minha inteira responsabilidade.

Sempre vossa,
Lady Lycra

sábado, dezembro 13

por ti deixava a droga



Há muito muito muito muito tempo que não me via assim.

Mas graças ao seriado Weeds (vinde a mim audiências do google.br) encontrei-me.

Juro que tive de passar as mãos pelo cabelo como o Fèher fez pela última vez , sorrir como quem vê a luz, (é de mau gosto? azar. xô audiências mainstream) e repetir ao longo dos episódios que tenho consumido como quem não tem mais nada para fazer:

tem calma, é só um homem
nem é nada de especial, é só um homem
não mordas a almofada, é só um homem

sexta-feira, dezembro 12

não oferecer à Lady, please

Eu acho que 2009 vai ser um ano de viragem.

(Maya, se estás aí, o que é bastante provável, vai daqui beijinhos daquela com quem trocaste impressões na feira esotérica de Oeiras em 1999.)

Este mês está a ser um mês de decisões difíceis e bastante complexas numa época que se quer de paz, amor e rabanadas. A propósito de rabanadas, sou só eu, ou esta palavra tem qualquer coisa de estranha? Ra-ba-na-das. Ra – ba – na – das.
Mais um típico momento em que consigo isolar o significado do significante e depois dá nisto. Fico com a cabecinha oca.

Bom, agora que já não me lembro minimamente do que queria dizer, resta-me deixar aqui uma lista de itens a não oferecer. Para entrarmos em 2009 com o pé direito (ah 2009, ano de viragem, era isso. Cá está - o meu cérebro afinal não me falha…)

O ano passado também fiz uma lista de presentes envenenados e está mais útil e engraçado do que esta.


A Enya mete nojo. Pan-pipes também. Se isoladamente são o que são, a simbiose é aflitiva.


Ao contrário de mon-chèries, eu sinto-me misticamente ligada aos Ferrero Rochers. Mas estou farta de fazer figuras deprimentes para conseguir entrar nos meus jeans mais justos. Uma caixinha ainda vá que não vá. Também não é uma caixa que me vai transformar na Fiona, não é?

Trabalhinhos e coisinhas fofas em decoupage deixam-me enjoada. Jamais oferecer.


Adoro mariquices para o banho, sais e óleos e velas e aromoterapia. Pena não ter banheira.
Peluches e coisas divertidas daquelas lojas que vendem papiros do género "Para a melhor namorada do mundo"... sem comentários.

quarta-feira, dezembro 10

se um jantar de Natal incomoda muita gente...

...cinco jantares de Natal incomodam muito mais.

isto mais parece um baby-cat blog

Eu adoro fazer listas e sintetizar conhecimento. É uma mania que apanhei na faculdade, quando tinha de fingir que estudava. Fingir para os meus pais claro, que foram os desgraçados que bancaram aqueles quatro maravilhosos anos de puro divertimento.
Ultimamente senti necessidade de fazer as seguintes:

Ameaças e punições psicológico-auditivas que a Lady Cat sofre:

Eu mato-te.
Eu esfolo-te viva.
Eu entrego-te aos chineses.
Eu vou-te bater forte e feio.
Tu vais ver.
Espera que vais ver como elas te coçam.
Já me puseste fora de mim.
Eu estou doida contigo.
Tu matas-me.
Tu queres acabar comigo.
Eu vou acabar contigo.
Não voltas a sentir o cheiro das wiskas tão cedo, minha menina.
Põe-te a pau.
Põe-te fina.
Não me queiras ver enervada.
Estás aqui, estás a comê-las.
(em casos gravíssimos) Vê lá se queres ir viver para o cu de judas! (refiro-me à casa dos avós dela, meus pais)

Estes castigos são aplicados:

Quando chego a casa e vejo a cortina do WC esfarelada pelo corredor.
Quando chego a casa e vejo a terra das plantas espalhada pelo chão e pelo sofá.
Quando a mordidela e/ou a arranhadela provoca danos nas células e/ou vasos sanguíneos, provocando a perfuração e/ou dilatação da pele, vertendo o meu sangue e/ou linfa.
Quando sou acordada (mesmo que de uma forma amistosa).
Quando ela afia as unhas no tapete.
Quando ela ignora por completo as minhas chamadas de atenção.

Nomes que a Lady Cat tem:

Macaca Bacana
Pequerrucha Acetinada
Ximiusa-pikatchu
Bananoíde do Coração
Múnki-miiiinki
Pichotita Cinzenta
Animal Bère-Bère
Minhoca Tesuda
Gata Gostosa
Cinderela Coqeluche
Prima-afastada da Kitty
Nhócócó
Miss Pussy
Susy dos Santos
Piranha Agreste

Situações em que lhe chamo esses nomes:

Quando ela manifesta a sua felicidade quando eu chego a casa.
Quando ela faz um ron-ron muito sonoro.
Quando ela se engasga a comer e fazer a ron-ron ao mesmo tempo (Eh pá. Foscasse. Lembrei-me duma coisa. Sou um bocado porcalhona.)
Quando eu mostro o bem alimentar mais caro lá de casa – Wiskas Saquetas.
Quando ela me aquece os pés (nesta situação o meu cérebro fica tão ludibriado que só consigo aplicar as designações onomatopaicas)
Quando ela me olha fixamente e inclina a cabeça.


Agora todos ao mesmo tempo, quero ouvir um grande e meloso “Ooohho!!”

domingo, dezembro 7

2009


Chegou a altura do ano em que eu ando muito excitada porque tenho de ir escolher uma agenda!

quinta-feira, dezembro 4

hello santa! greetings from ladylândia!


Olá Pançudo. Cá estamos. Mais um aninho. Está frescote. Neve é que não há e tenho muitas saudades. Mas não se pode ter tudo, não é? A vida custa a todos, não é? Pois é.
Fui chafurdar o passado deste blogue e dei conta que te pedi umas quantas prendinhas o ano passado. Pois foi. Mas este ano foi muito complicado, sofri muito e fiquei montes de adulta. Estou mais madura e mais sensata e agora faço coisas diferentes.

Estou a escrever-te, meu bom Papi Natalício, porque este ano sou eu que te vou oferecer coisas. Vou dar-te provas do meu crescimento. Tenho um par de calças 38 que começam a apertar-me. Oh! Estou a gozar!
O que eu queria dizer é que não te vou enviar uma lista. Até porque este Natal, quando todos estiverem animados na noite da consoada; quando a lareira estiver a iluminar os rostos um pouco ruborizados com o vinho do Porto; quando der com os olhos da Mami docemente postos no Papi que tira à socapa mais um mon chèrie enquanto galhofa sozinho o “como dividimos?...HEHEHEHE”; quando a minha avó estiver com uma lagrimita prestes a saltar de orgulho porque a neta mais nova aprende e desenvolve com eficácia os ensinamentos que a neta mais espectacular lhe transmite; quando o chão já estiver cagado com pelo menos um Ferrero Rocher; quando o meu irmão já me tiver dito “butes fazer um jackass? Vamos ver quem é que consegue comer mais fatias daquele bolo de ananás e não vale vomitar pelo nariz”; quando o Mr. Been já tiver oferecido os botões/olhos ao seu ursinho; quando a minha tia já estiver a contar pela quinquagésima nona vez aquela história de quando o meu tio teve uma dor de barriga tão grande que teve de parar o carro na auto-estrada, galgar os rails com a mestria de um veado e correr como se não houvesse amanhã, todo torto pelo pinhal fora…

…quando a noite de consoada estiver neste ponto-de-rebuçado…

…vou colar o nariz no vidro da janela, olhar candidamente para o céu e vou chamar por ti. E com todo o meu coração, com as minhas mãos frágeis coladas ao peito, depois de suspirar mornamente contra o vidro, e escrever “I Love Christmas” graças ao vapor do meu doce hálito, vou-te pedir três desejos com todas as minhas forças.
Constata que não são coisas, nem nada que se compre e repara na minha sapiência conseguida após 25 árduos anos de vida.

Primeiro – que nunca me faltem consoadas desta natureza
Segundo – que nunca tenha dores-de-barriga como a do meu tio
Terceiro – o 1º prémio do Euromilhões (de preferência, até ao 1º trimestre de 2009)

Beijinhos açucarados cheiinhos de mimo, da tua fofi
Lady Dog

ps – curto-te bués.
ps2 - a Lady Cat pode ter isso da foto aí em cima? obrigada.

terça-feira, dezembro 2

psicoterapia nova ou usada, sem vícios, precisa-se urgentemente, para relacionamento sério.

Peço a vossa especial atenção para este post. Eu acho que deveria ser internada. Não sei…digam-me coisas.

A minha noite foi um longo pesadelo, acordei exausta e chorosa (e com a Lady Cat a lamber-me a ponta do nariz) depois disto:

Momento 1 – Algures na baixa lisboeta, está tudo muito escuro, nevoeiro e tal e “vai ocorrendo” um terramoto super enervante que não é terramoto coisa nenhuma. Ora ameaça tremer um bocadinho, ora sossega. Ora parece que o mundo vai acabar, ora parece que não foi nada. Não ata nem desata. Um sufoco. Eu estava no meio de uma multidão, com a mami e o papi…e enquanto esta palhaçada vai acontecendo, conversamos de uma forma mais ou menos trivial.

Possíveis causas – o simulacro? Ontem ter ouvido e fixado a palavra epicentro? Nunca ter sentido um terramoto e desejar sentir um bocadinho? Ou isto é tudo muito simbólico e não-sei-quê?

Momento 2 – Estou num caminho de calçada meia dourada tal qual a rua do mundo do Feiticeiro de Oz. Atrás seguem amigos a conversar alegremente enquanto eu caminho à frente, numa espécie de penitência, a chorar compulsivamente e desesperada como uma madalena arrependida enquanto me fustigo mentalmente com uma certa e determinada musica. Um passo atrás, ao meu lado, segue o estropício do meu ex-namorado, mais ou menos nas mesmas condições. Um bocadito pior. Olho para trás, o coitado está todo curvadinho e mirrado, até que cai morto no chão. Eu fico a olhar para a cara dele toda cinzenta e com os olhos abertos. Fico aterrorizada mas nesse exacto segundo ele pestaneja e eu sigo o meu caminho chorosa.

Possíveis causas
– andei a experimentar sapatos vermelhos e lembrei-me do Feiticeiro de Oz; o meu ex-namorado lembra-me o espantalho do Feiticeiro de Oz; sinto-me actualmente em penitência por alguma razão indecifrável – e penitência rima com abstinência. (Sexo? Álcool? Drogas? Rien. Estou pura que nem uma grama de coca colombiana saída directamente do produtor.)

Momento 3 – Repentinamente, estou no ginásio onde está a acontecer uma aula. Só que eu só vou ginasticar com as músicas que me apetece. Quando não me apetece, amuo e vou para os balneários. Depois da aula forma-se uma fila e o monitor dá um lanche a cada aluna. Eu aponto o dedinho a metade de uma panqueca rançosa. Depois, uma tipa que andou comigo na primária pede um pão e uma maçã vermelha e faz uma sandes de maçã. Eu fico furibunda porque deveria estar a comer uma sandes de maçã e não meia panqueca.

Possíveis causas – aqui não há margem para interpretações complexas. Sinto-me angustiada por andar a faltar ao ginásio e sinto-me gorda que nem um cachalote.

domingo, novembro 30

sos

La la la laaa!
la la la laaaa!
la la la la la la la la la la la laaaaa!

(musica do Toy's R Us)


por favor, alguém me ajude a tirar isto da cabeça.

quinta-feira, novembro 27

para já...

... a coisa que mais me excitou hoje foi a minha gata. Ferrou-me o dente de tal maneira que eu ia falecendo. Primeiro fiquei roxa e uivei um bocadinho. Depois descobri que tenho um lado oculto muito negro.

Gritei-lhe assim:

SE ME VOLTAS A MORDER FAÇO UM PORTA-CHAVES COM O TEU RABO, OUVISTES?

lady iluminada







terça-feira, novembro 25

pretérito perfeito


Quem me conhece sabe que sou uma pessoa optimista até ao ridículo. Nasci com a certeza que vou ser muito bem sucedida e financeiramente abastada, que serei reconhecida pelo meu trabalho, que vou viver um amor tal e qual como acontece nas comédias românticas e que vou ter uns dois ou três filhos primorosos. Terei uma casa linda com jardim, jacuzzi, piscina e insufláveis onde vão acontecer míticas festas com drinques e acepipes deliciosos. Vou ter uma empregada ucraniana super eficaz e uma ama brasileira extremosa e ambas vão ser feiinhas que dói porque não quero cá beldades a desfilar em casa.


E há muito mais a dizer sobre o meu futuro risonho contudo, e lamento se alguém ainda não se deu conta, estamos a entrar na época dos balanços. O melhor a fazer nestas alturas é bater a bolinha baixa e cumprir as regras sazonais de convivência humana. (até eu fiquei atordoada, não se preocupem)


Findo o momento de cogitação, conclui que este ano foi uma montanha russa sempre a aviar grandes subidas e grandes descidas. E entre semanas de intenso festim e outras de completo marasmo, até que me safei. Como uma Lady.

Ora este ano …

...visitei 11 casas sozinha, endividei-me e comprei uma delas.
...apresentei a casa aos meus pais no dia da escritura, depois de assinada.
...lidei com pressões e responsabilidades quase maiores do que eu.
...quis ser designer, cabeleireira e massagista mas senti-me como peixe na água onde trabalhei.
...conheci pessoas incríveis, que admiro e adoro.
...houve quem me fizesse sentir uma grande merda.
...desejei e planeei umas férias de sol e descanso.
...não tive um dia de férias.
...vi-me obrigada a procurar trabalho e chorei dias a fio.
...cortei o cabelo do meu pai todos os meses.
...decidi que daqui por uns meses viajo até ao Hemisfério Sul.
...senti muitas saudades dos meus amigos.
...contra todas as previsões adoptei uma gata.
...anotei ao pormenor 6 sonhos e tive conversas extraordinárias em torno dos mesmos.
...redescobri que adoro fazer colagens.
...tive um início de ano muito negro e estou a ter um final de ano cinzento clarinho.
...andei com a cabeça muito mais ocupada com o futuro do que com o presente.

domingo, novembro 23

o responsável pelo Natal devia ser crucificado

O título deste post é uma gentil oferta da minha parte a todos os indivíduos que não vão à bola com o Natal.

Devo informar, sobretudo para limpar a minha imagem diante do Jesus e do Pai Natal, que eu fico mesmo feliz com esta quadra e como não sou epiléptica, também acho muita piada à iluminação de Lisboa deste ano.

quarta-feira, novembro 19

sai um desafio fresquinho

Um dos grandes sonhos do Penim é ter uma foto minha, de preferência espraiada numa cama de pétalas de rosas vermelhas, ao melhor estilo de "American Beauty". De maneiras que achou neste desafio a oportunidade de ouro para tentar essa tal foto idílica e por isso resolveu convocar-me.

Diz que as regras são “colocar uma foto individual; escolher uma banda/artista de eleição; responder às perguntas com títulos de canções da banda/artista escolhido; e desafiar 4 bloguistas para passarem a outro e não ao mesmo”.





Eu é...

tchan! tchan! tchan! tchan: Arcade Fire.


1) és homem ou mulher? Laïka

2) descreve-te: My Heart Is an Apple

3) o que as pessoas acham de ti? Ocean of Noise

4) como descreves o teu último relacionamento: Wake Up

5) descreve o estado actual da tua relação: I'm Sleeping in a Submarine

6) onde querias estar agora? Haiti

7) o que pensas a respeito do amor? Headlights Look Like Diamonds

8) como é a tua vida? Une année sans lumière

9) o que pedirias se pudesses ter só um desejo? Crown of Love

10) escreve uma frase sábia: Keep the Car Running


E agora ordeno que o desafio seja cumprido pelos seguintes queridos:

Greatest Dancer

Salustio


Maria Inês

Mak, o Mau

segunda-feira, novembro 17

quanto mais me bates menos eu gosto de ti

O que é que se faz a um animal que me acorda com violentas patadas nos olhos, quando estou mesmo a meio de qualquer coisa como isto:





sexta-feira, novembro 14

a cantar desde 1983

No âmbito da Quadra Natalícia, qual ou quais as situações que deixam a Lady oh my Dog! algo atormentada?

a) o delírio popular dos pais natais pendurados nas janelas

b) a alta probabilidade de receber presentes de merda: mon chéries, bijutaria de fimo ou perfumes da Avon

c) o encontro familiar da noite de 24, quando a casa fica um pandemónio e o nível de décibeis ultrapassa os 120

d) as questões que se levantam à mesa nessa noite:

– Então minha linda? Quando é que ele vem cá?

- Ele? Quem? (eu já a ver o filme, cerca de 48 olhos postos em mim, as couves que custam a descer o esófago, tento agarrar o copo de água mas ele foge-me por entre as mãos e assim se molha uma travessa de bacalhau e meia broa)

- O teu namoradinho, caneco!

- A…eu…a…NÃO HÁ GUARDANAPOS NESTA PUTA DESTA MESA?! Eh pá, óh Tia já há bocado lhe respondi, quando até estávamos no sofá a roer cajus, que eu NÃO TENHO NAMORADO! QUALQUER DIA TENHO DE INVENTAR QUE SOU LÉSBICA PARA VER SE ACABAM COM ESTA CONVERSA! Só tenho medo que dê um fanico ao Papi, que isto ANDA TUDO DOIDO PARA TER DESCÊNDÊNCIA! Mas eu tenho ar de parideira por acaso? OLHEM-ME BEM PARA ESTAS ANCAS. Tenho 25 anos, ok? Daqui a 1 década voltamos a falar no assunto, pode ser?

...

Passas-me o azeite mami?

(é nesta altura que o meu irmão faz a piadinha de cócó – “Mas com o azeites estás tu! HEHEHEHE”)

quarta-feira, novembro 12

tire o cavalinho da chuva

Tenho sonhos, regra geral, muito bons.

O de hoje foi assim:

Estava eu em plena situação laboral, sozinha num escritório algo claustrofóbico com um sujeito.
Esse indivíduo maniento estava a assediar-me e ia já com a mão numa trajectória lançadíssima para se alapar a uma mama. Que estou em crer tratar-se da esquerda, a mais perfeita.
Eu dou rapidamente um passo para trás ficando entre a espada (a mão dele) e a parede, não me restando outra hipótese senão recorrer à violência verbal (se fosse uma batalha física, estava feita ao bife)

Ele – Eu acho que demorámos muito tempo a chegar a um entendimento.
Eu – É verdade. Eu demorei muito tempo a entender que o senhor é um cabrão e o senhor demorou muito tempo a entender que eu não sou uma puta.

segunda-feira, novembro 10

agora sinto-me um rapaz a mudar de voz

Meus bebés,

Agradeço a vossa ternura mas não se inquietem porque o pior já lá vai.
Afinal ainda não é desta que estico o meu pernil de Miss Piggy.
Houve uns quantos que bem me tentaram matar, mas sem sucesso.
Conto-vos como tudo se passou.

Na sexta-feira às 21h30, o meu universo era mais ou menos este:

Outfit:

1 par de calças sportzone da colecção de 2001, cor azul, com um estampado na zona do traseiro em Arial Black - “Sporty & Sexy”
1 t-shirt que diz Rock à frente e Roll atrás
1 cardigan cinzento
1 robe polar (muito fofinho que ele é)
2 pares de meias (umas da Betty Boop, outras do meu pai)

Local:

1 Sofá
4 almofadas
1 cobertor
1 animal felino
1 chávena de chá no chão
3 lenços ranhosos dispostos aleatoriamente
2 telemóveis

Situação:

Enquanto via muito a propósito um certo filme, um telemóvel toca.


– Então pá? Onde é que tu estás? Está tudo à tua espera…!
– Oh chèrie…desculpa, estou tão doente…cof, cof, cof, sniiif, não vai dar…tenho tantas saudades vossas! Dá beijinhos à malta.
– Pois. Não sejas parva.
– Estou a falar a sério…estou quase,cof, cof, snif, quase a morrer. Quer dizer, é só uma gripe…mas tenho de descansar…entendes, não entendes?
– Oh que caralho. bip bip bip bip bip bip

Cheia de febre e tensa com os maus modos, opto por ir tomar um banho enquanto deliro com o meu descanso. Estava no processo pós-chuveiro – pentear o cabelo, tónico em spray neste rosto catita, creme hidratante, desodorizante e a maravilha do secador (já aprendi a fazer ronron), quando o telemóvel toca:

– Estou à tua porta. Queres descer ou é preciso subir?

A última vez que o G. (inicial fictícia) me disse isto, não foi muito agradável.

– Eu não vou! Mas se quiseres sobe! Quero lá saber..!

Nesse dia o G. pegou em mim como se eu fosse um saco de batatas e pendurou-me ao ombro, apanhou as pantufas, tirou a chave da porta e desceu escada abaixo. E não vale a pena resistir. Se antes tínhamos um G. escuteiro, agora temos um militar que pode muito bem com os meus 58 kg.
(num metro e sessenta e cinco de altura, atenção)
(e estou oficialmente a caminho dos 55kg)
(assim posso engordar 3kg no Natal)

Portanto na sexta-feira optei por descer as escadas.

12 horas depois o cenário era este:

Outfit:

Who cares?

Local:

Estacionamento do Lux.

Situações a granel ou algumas recordações resistentes a muita medicação, alguma febre e muito pouco álcool:

somos os únicos malucos ali, às 9h30 da manhã
discutimos cenas idiotas com uma seriedade muito estranha
um chora de coração partido
outra está de trombas
confidenciam-se umas quantas coisas
eu tenho um ataque de riso
dois deles tiram a roupa e ficam completamente nus
a malta percebe que não há hipótese, temos uma amizade tão cheia de merdas que é para sempre
aparecem dois táxis
beijinhos e até já meus porcos safados.

sexta-feira, novembro 7

em princípio não vou morrer, mas

estou totalmente afónica, portanto gritos de socorro serão impossíveis se eu for, por exemplo, vítima de homejacking.

Dificuldades respiratórias bastante graves impedem-me de quase tudo, como fazer entender à Lady Cat que não convém ferrar um dente na minha carótida (com o esforço que tenho feito para respirar, está bastante apetecível para uma assassina).

Dói-me tanto a cabeça que acho que vai explodir a qualquer momento.
Estou com tanta febre que acredito que possa entrar em combustão espontânea.
Estou tão sensível que já chorei com a miragem da minha mãe a fazer-me chá e torradas.
E também com este post.
Não dormi nada e estou tão rabugenta que nem me consigo aturar.

Constato mais uma vez que, mesmo tendo 25 anos, quando estou rabugenta regrido até aos 5 ou 6 anos de idade. Choro, fico de trombas, dou pontapés, se a asa da caneca do chá me queima de repente, verto o chá no lavatório e parto a caneca de seguida contra a parede (já estou a inventar).

quarta-feira, novembro 5

terapia karaoke #1

"Viva Forever"

Do you still remember
How we used to be
Feeling together, believe in whatever
My love has said to me
Both of us were dreamers
Young love in the sun
Felt like my saviour, my spirit I gave ya
We'd only just begun

Hasta Manana,
Always be mine

[Chorus]
Viva forever, I'll be waiting
Everlasting, like the sun
Live forever,
For the moment
Ever searching for the one

Yes I still remember,
Every whispered word
The touch of your skin, giving life from within
Like a love song that I'd heard
Slipping through our fingers,
Like the sands of time
Promises made, every memory saved
Has reflections in my mind

Hasta Manana,
Always be mine

[Chorus]

Back where I belong now,
Was it just a dream
Feelings unfold, they will never be sold
And the secret's safe with me

Hasta Manana,
Always be mine

[Chorus x2]

terça-feira, novembro 4

acho que vem a propósito


Sobre as votações do post lá debaixo,

(agora que já me passou a neura típica do início de semana)

posso afiançar-vos que não sou assim tão boa como a expressão “bem boa!” faz crer. Acho que seria bastante feio da minha parte induzir-vos em erro e por isso quero esclarecer que sou uma gaja normalíssima, apesar de ter uma pele invulgarmente suave.

Mas nada como entrarmos em comparações. Para terem uma ideia do quão longe estou do estatuto de “bem boa!”, confesso-vos que quando vi a foto da Sarah Palin em bikini, não interroguei “será verdade ou montagem?”. Nem tão pouco afirmei “mas que bimba, man!”

Mas exclamei com a voz agoniada: “está-me a parecer que esta cabrona está melhor que eu!”.

domingo, novembro 2

aceitam-se abraços

Há domingos que é assim:

(de manhã estou a dormir)

À tarde

instalo-me no sofá, vou dar uma volta, vou ao supermercado, entrego-me às arrumações e limpezas, espreito as movimentações clandestinas da minha rua, invento uma tradução para as discussões dos chineses do andar de baixo, falo com amigos no msn, tenho longas conversas com a minha mãe, pinto as unhas das mãos e dos pés da mesma cor, ponho roupa a lavar, experimento uma receita (desta vez crunchy granola), vejo um filme (desta vez Control), vou tomar café com alguém, certifico-me que na tv passam os mesmos filmes (desta vez já não me lembro), troco sms’s, tento ler qualquer coisa mas não me concentro, recorto revistas, jornais, flyers, páginas brancas e amarelas, convites e bilhetes e recorto e colo, recorto, colo porque meti na cabeça que seria terapêutico tentar compor algo novo a partir de fragmentos e escondo tudo bem escondido numa gaveta, não interessa.

Aliás, nada interessa.
Há dias que é assim – não há nada que eu possa fazer que me leve esta sensação que algo está errado, que me falta qualquer coisa, que deveria estar

ou a rir histericamente numa montanha-russa
ou numa praia brasileira munida de água de coco
ou a provar escorpiões panados no Tibete.

E acho que merecia tudo isto com uma OST de luxo.

Sinto um sufoco anormal com o meio-gás, o morno, o suficiente ou o quase.
A minha vida não deveria ser nada disto.
Amanhã é segunda-feira.
Vou ali fazer um chá de valeriana.


quarta-feira, outubro 29

se não houver hipoteses que expressem a vossa opinião, peço desculpa

este blogue...

é admirável !
é incrivel !
é espectacular !
é genial !
é viciante !
é o meu favorito de todos !
tem um sex-appeal irresistivel !
tem uma autora que deve ser bem boa!


(View Results)

Create a Poll

segunda-feira, outubro 13

tenho um baaaaiiibiiiiiiiiiy

Lady Cat, vamos recapitular as regras do nosso bom entendimento:

- não acordar a Rainha do Pedaço (eu e não tu. Repito – EU e não tu) a meio da noite com patadas no meu rosto de Rainha do Pedaço (que sou Eu e não tu);

- não explorar as plantas. As plantas servem para enfeitar e trabalhar o Feng Shui dos nossos escassos metros quadrados. Por favor, não me obrigues a praguejar demasiado alto, os vizinhos já não me olham de frente.

- não afiar as unhas no meu edredão. Caso não saibas, custou-me os olhos da cara, pelo que prefiro que afies as unhas nos meus próprios olhos (cega, continuaria a sentir a doce suavidade do meu baby edredão)

- não atacar a Rainha da Cocada Preta (também sou EU, não tu). O meu coração não aguenta tanto sobressalto e a minha voz anda desgasta com tanto gritinho histérico.

- garras para dentro, sempre! Aposto que vão pensar que ainda me auto-mutilo (adolescência dark) da maneira que trago os braços e as mãos. Já estou a ser condescendente com o que me fizeste ao casaco.

- cocós e xixis é onde te ensinei. Livra-te que apareçam noutro lugar. Bem me basta limpar os teus serviços darling, bem me custa torcer o nariz e suster a respiração. Mãe que é mãe limpa o rabinho aos filhos, mas toma lá cuidadinho.

- tu tens os teus brinquedos e eu tenho os meus (cof cof)

- os meus cabelos fazem parte de mim, não são moscas a voar à minha volta. Por favor, pára de os atacar. Queres uma dona careca? Queres? Queres? Não me parece…

- as cenas que aparecem no ecrã da TV também não são bichos. Quer dizer, às vezes tens razão.

- quando estou ao telefone não mies como se eu te estivesse a matar. Eu dou-te mimo em doses industriais! Não sejas melga.

- não mordas os fios. Por favor.

- se eu grito é porque tenho razão. Ainda não perdi totalmente a paciência, mas se acontecer ficas já avisada que a culpa é tua.

De resto meu babe, estou encantada. Ron ron para ti também. Snif. Só é pena não dançares Wannadies daquela maneira tão fofinha.

Ainda! Que tu chegas lá.

quarta-feira, outubro 8

juro que não encontro razões para tanta felicidade!

Olhem lá para mim que vou dar a mão à palmatória:

Eu até gosto do Outono. Nunca pensei dizer isto assim de boca cheia (…? parva.) mas é bem verdade. Antes passava 8 longos meses muito infeliz e ansiosa pelos 4 meses quentes. Cheguei a considerar que padecia de depressão sazonal e coloquei seriamente a hipótese de emigrar para o Brasil. Mas cá fui insistindo, uns dias mais ranhosa que outros, até que cheguei a este estado de maturidade que me permite aceitar o mundo e as suas condicionantes meteorológicas com candura.

É que começo a gostar mesmo disto. Tudo cinzento, casacos, cachecóis, cheiro a castanhas, chás e cigarros, vento, chuva miudinha, lama e ramos de árvores partidas (? parva.)

Eu nunca passei um Outono na minha casa e estou verdadeiramente histérica para que isso aconteça! Este recente amor pelo Outono deve estar ligado ao conforto que começo a sentir lá dentro, agora que não faz eco. É tão lindo ver uma casa a ser decorada e completada aos poucos. Agora já sou daquelas afortunadas que dizem “os meus bibelôs isto, os meus bibelôs aquilo”, porque já tenho um bibelô e uma moldura, que para mim, juntos e emparelhados são bibelôs. É surpreendente ir acompanhando as mudanças. Há uns dias comprei um tapete para a sala e vocês não imaginam a minha alegria em constante renovação! Sinto-me um peixe! Basta-me por exemplo, ir fazer um café à cozinha durante uns minutos…quando volto para a sala fico outra vez surpreendida e exclamo (sozinha e neurótica) “Oh! Um tapete!” e bato palminhas, deixando cair o café para cima do tapete.
É uma felicidade tão instantânea e genuína que às vezes até faço de propósito. Penso assim – “vai lá aspirar o Closet (que chique, I’m loving it) e depois volta para o quarto…até te passas com a beleza deste edredão!” E efectivamente passo-me! Passado um momento regresso ao quarto e fico avariadinha da cabeça, atiro-me para cima da cama e beijo o edredão “coisa mais linda da menina, tinkie-winkie, meu zara home aquisitation, meu padrão requintado, és tão fofinho, promete à tua baby que dormes comigo para sempre e não me decepciones!Eu prometo não olhar para outros mais bonitos que tu! (só se forem muuuuuuito mais baratos)”

Aconselho a todos este tipo de exercícios que são a chave da felicidade. O meu lema ultimamente tem sido “Ama e Surpreende-te” e se acaso houver por aí algum editor com olho para a coisa (…? parva) que não se iniba em propor-me escrever um livro de Auto-Ajuda para Mulheres.
Só para que entendam em maior profundidade estas duas técnicas de amor e surpresa, seguem dois exemplos que podem praticar e adaptar às vossas realidades (reparem como vos amo! Para vocês é de graça!):

No escritório adoptem uma postura leve e alegre e arrisquem um certo olhar infantil (mas cuidado para não parecerem a Palhaça Picolé):

“Oh!! Uma caneta! (largo sorriso) E escreve!! (sobrancelhas sempre levantadinhas) Que liiinda! (olhos brilhantes e quase marejados) Que conforto a escrever! (palminhas mas com cuidado, não espetem o bico na mão) (…? parva.)

Quando aparecer um colega de trabalho (aqui é mais fácil se for agradável à vista, com um certo ar-mistério e sobretudo, se as mãozinhas parecerem mesmo jeitosas para uma palmada ou outra, que deus me perdoe)

“Oh! (olhos e boca pin-up, sucesso garantido) Estás cá? (expressão facial regressa suavemente ao normal, ou seja, ar confuso e semi-lerdo) Não te via há algum tempo! Dá cá um abracinho! (aproveitem como quiserem) Quer dizer, não te via desde ontem...! (um certo riso delicodoce + um certo ar de burra e está feita).

Aliás, a burrice é um instrumento valioso. Garanto-vos que é um óptimo repelente ser e demonstrar ser mais inteligente do que eles. O que é muito fácil e normal que assim seja. Só que no processo de conquista, esconder esse facto é uma mais-valia impressionante. A prova provada é que a lata percentagem masculina que frequenta este blogue está cada vez mais caidinha por mim, à medida que confesso as minhas falhas de inteligência. (NÃO ME DEIXEM ENVERGONHADA, EXIJO ARREBATADAS DECLARAÇÕES DE AMOR)

Agora vou-vos mostrar como acabavam sempre as minhas composições escritas sobre o Outono:

Eu gosto muito do Outono.

segunda-feira, outubro 6

só para não me esquecer que tudo tem um preço

Retiro tudo o que disse até ao dia de hoje sobre as segundas-feiras. Hoje sim, está a ser a pior das piores e temo pela segurança dos que me estão próximos.

Segue um apanhado para os mais pacientes, a justificar a minha vontade de arrancar olhos à dentada:

Sexta – Sábado – Domingo - Hoje:

18h00 – banho, maquilhagem, vestidinho e pasmem-se: saltos altos
20h00 – jantar de gajas e vinho
00h00 – amena cavaqueira num bar algo manhoso
01h30 – desmaio para cima de uma mesa e sou acarinhada por uma pin-up
02h30 – consigo sair do bar pelas minhas próprias pernas. Demoro um pouco mas lá me apercebo que há um grupo de estrangeiros com ar de estrelas rock que se colaram a nós. Fico irritada.
02h45 – afinal ainda estou bastante frágil, encosto-me a uma parede e fico a meditar na vida. Respondo às seguintes perguntas:

– como te chamas?
- Cassandra.
- ah…Que original…que fazes da vida?
- Trabalho na Zara, mas o meu sonho é ser Campeã Nacional de Judo.
- Hum. Que engraçado…pareces diferente. Vais beber um copo?
- Vou.
- Onde?
- Não faço ideia.
- Achas que posso ir contigo?
- Achas que sim??! Olha bem para a minha cara (monga enjoada)

03h00 – fico funk e eléctrica horas e horas e horas. Pequenas pausas para sessões terapêuticas com duas amigas:

Para uma chorosa de coração partido:

- Caga nisso. Ele não te merece. São uns porcos do caralho. Ele tem namorada e diz-te isso? É um merdas. É um frustrado. Isso é falta de amor-próprio.

Para uma confusa“oh querida ele não fode nem sai de cima!”:

- Por favor! É um miúdo. Se não se chega à frente é um Coninhas-Banana e tu queres um puto-miúfinhas ou queres um homem? Isso é falta de amor-próprio. É um merdas.

07h00 – saio e arrasto as duas pinga-amor comigo e apresento-me mais uma vez como sendo a “Cassandra” ao último idiota da noite. A esta altura sinto um ódio visceral por qualquer homem e quase que choro por não ser lésbica.
07h15 – táxi, casa, toalhitas desmaquilhantes, cama

13h30 – acordo acéfala e tomo banho
14h30 – tento ler o Público mas não entendo nada
15h00 – fico abraçada ao sofá com o olhar mais vago do mundo…não tenho um pensamento coerente. Excepto o “quero uma massagem nos pés” com direito a beicinho e lagrimita.
16h00 – só por causa das tosses vou buscar os saltos altos e saio de casa outra vez. Vou almoçar com o baby Dancer.
17h30 – encontramos um amigo dele pelo chiado que nos convida a tomar café.
18h30 – estou convencida que encontrei o homem da minha vida, apesar de ser loiro e Rapazinho Gant. É podre de rico, alto, inteligente, simpático e doce.
19h30 – Sou elucidada acerca das opções sexuais do rapazinho e caio numa depressão de 15 minutos.
21h00 – Fico outra vez alegre depois de me mostrarem um Hi 5 porno-pimba de uma ex-colega de curso
22h00 – Começo a beber.
22h00 – 04h30 – Parvoíces várias
04h45 – estou apaixonada pelo Jude Law e agarrada como uma ventosa a um mupi
05h30 – toalhitas desmaquilhantes e cama

13h00 – acordo e tento mais uma vez entender o mundo à minha volta. Mas não decifro nada do que dizem no telejornal.
14h30 – depois de um longo e acéfalo banho, saio de casa
15h30 – começo a sentir uma ligeira depressão dominical e resmungo por tudo e por nada
16h00 – almoço
17h00 – 19h45 - alegre caminhada urbana até a um armazém manhoso, coisas muito indie e um pezinho de dança
21h00 – casa
21h10 – oh não amanhã é segunda-feira
21h30 – oh não é mesmo verdade!
22h00 – o melhor será dormir
23h00 – ainda não consigo dormir
00h45 – 856º volta na cama
02h30 – olho para as horas
03h30 – tenho um sonho bizarro
04h00 – adormeço
06h15 – é hora de acordar
08h00 – 2 cafés
10h54 – acabo de desabafar com vocês mas mesmo assim, quero matar alguém.

quinta-feira, outubro 2

Esta sou eu em 1979

"Sunday Girl"

I know a girl from a lonely street
Cold as ice cream but still as sweet
Dry your eyes Sunday girl
Hey, I saw your guy with a different girl
Looks like he's in another world
Run and hide Sunday girl

Hurry up, hurry up and wait
I say awake all week and still I wait
I got the blues, please come see
What your loving means to me

She can't catch up with the working crowd
The weekend mood and she's feeling proud
Live in dreams Sunday girl

Baby, I would like to go out tonight
If I go with you my folks'll get uptight
Stay at home Sunday girl

Hey, I saw your guy with a different girl
Looks like he's in another world
Run and hide Sunday girl

When I saw you again in the summertime
If your love was as sweet as mine
I could be Sunday's girl

Hurry up, hurry up and wait
I say awake all week and still I wait
I got the blues, please come see
What your loving means to me
I got the blues

segunda-feira, setembro 29

serviço público



Esta manhã de segunda-feira foi uma das mais dolorosas de sempre. Foi por um triz que não fiz um telefonema sofrido a uma partner de trabalho. Nesses primeiros momentos da madrugada, a minha fraquíssima actividade cerebral está exclusivamente programada para ludibriar o patronato.

Como sou boa amiga, partilho com vocês o meu best of de desculpas. São a minha reserva especial, muitas delas nunca antes usadas. Algumas funcionam apenas para justificar um atraso, outras - uma manhã, e algumas, se aplicadas com mestria, permitem um bonito dia de folga:

“Tive uma noite péssima, nem sei bem o que foi. Até tenho uma pontinha de febre”

“Um cano da cozinha rebentou…casas velhas, sabes como é…, que merda.”

“Tenho de tirar o dia para ir à Loja do Cidadão, tenho tanta papelada para por em ordem…!”

“Tenho de ir ao banco, desapareceram 300 euros da minha conta!”

“Não posso continuar a ser negligente com a minha saúde, tenho de ir fazer análises.”

“Não consigo sair de casa, tenho o tornozelo que parece uma bola! Vou agora às urgências. Espero que não seja nada…”

“Morreu um primo de uma amiga minha, tenho de passar o dia com ela. Ela não está nada bem, coitadinha.”

“Acreditas que me cortaram a luz desde ontem à noite?? Tenho as contas todas em dia, pá!! Tenho de ir à EDP, aqueles cabrões…tenho o frigorífico a descongelar! Que sina a minha!”

“Hoje é segunda-feira?? Estás a gozar??! Que horror…ando tão cansada, até tenho medo do meu cansaço não ser normal…passei o Sábado a dormir e hoje pensei que fosse Domingo..."

“Houve um acidente horrível mesmo à porta da minha casa…eu vi tudo, foi horrível. Ainda estou a tremer e estou muito mal-disposta. Não consigo tirar a imagem da minha cabeça...”

“Perdi a minha carteira, tenho de ir à polícia. Fogo, logo hoje que queria despachar uma série de coisas!”
“Não dormi uma hora sequer, que desespero. Eu nem sou de ter insónias… Não vou aí fazer nada, nem consigo abrir os olhos. Vou tentar ir à tarde.”

“Estou na policia…depois conto-te tudo. É grave é! Uma emigrante ilegal anda a usar o B.I que perdi há 2 semanas!”


Usem o vosso bom-senso para entremear tudo isto com algum choro ou riso nervoso ou gemidos de dor.
Se também tu tens uma boa desculpa, por favor, mostra-me!

sexta-feira, setembro 26

big brother


Quando eu era pequena, o mundo é que era nice. Foi-se mantendo nice até à idade dos meus 10 anos, altura em que o meu irmão atingiu os 6 e de borboleta delicada e angelical, regrediu para um verme diabólico. Recordo com alguma amargura ainda, o momento da sua metamorfose. Foi um dia que até estava a ser agradável, um Sábado escolhido a dedo para me centrar sobretudo no meu habitat natural – sofá e TV.

Na tarde desse Sábado, estava sozinha em casa em total simbiose com o sofá mas entediada com o 2º dos 4 canais disponíveis. Logo senti uma urgentíssima necessidade do telecomando disponível à distância de 2 metros, ou talvez até fossem 2 metros e meio.

Ora eu, que sou mesmo boa pessoa, não ia incomodar-me nem alterar o grau de conforto em que me encontrava, até porque já na altura tinha de ter bastante cuidado com a minha baixa pressão arterial. Era bastante inteligente, por isso jamais arriscaria uma quebra de tensão.

(Hoje sou mais estúpida, principalmente porque sou alcoólica e insisto manter-me vertical quando tudo indicia o pior.)

Prontamente resolvi aplicar um método muito eficaz até então, lanço um grito desesperado e chamo o meu irmão vezes sem conta, como se estivesse a ser violada por um monstro verde e mal-cheiroso.

Eu, no rés-do-chão da nossa vivenda afortunada e algo pirosa (não fomos emigrantes na Suíça porque não calhou); ele, no sótão a brincar com legos. Portanto, ele tem de descer eu diria que, uns 32 degraus até ao 1º andar e outros 29 até ao rés-do-chão, mais uns 35 passos aflitivos (perna curta, coitado), até chegar até mim e perguntar (gago e belfo e estrábico)

– “O QUE É É É QUE SSSE PASSSA?”

(a minha consciência pede que eu esclareça que actualmente, a minha cabeça fica rés-vés sovaco da peste. E ele já não gagueja.)

(…e também não é sopinha de massa)

(ai deslarga-me consciência boazinha! Não! Não é estrábico!)

Eu, deitada no sofá mas não completamente de lado, simplesmente a 3/4 do leito, enquanto me delicio com o ar esbaforido e atormentado da criatura:

“Passa-me o telecomando”

“Onde é que ele está?”

“Ali, em cima do sofá. Estás cego ou quê??”

Ele estende-me servilmente o meu querido partner de ócio e sai da sala. Eu fico a pensar que a vida é fantástica e que cada um colhe aquilo que semeia. Eu colhia na altura, os frutos de uma boa educação incutida durante seis trabalhosos anos ao meu irmão. Muita disciplina e assertividade…por isso merecia tudo isso e muito mais. Estava nesta masturbação mental quando sou interrompida por um surpreendente:

“Óhh Mana!”

E eu olho repentinamente para a porta de entrada da sala, vejo algo a voar na minha direcção, mas no nano-segundo seguinte já não sei onde pára a Lady-Yes-I-Wan’t-It encontrando-me a chorar pela mãezinha com as duas mãos agarradas ao olho, enquanto largo litros de ranho. O meu irmão desaparece do local de combate enquanto a lata de Raid Casa e Plantas rebola pelo chão depois de ter esfolado a minha pobre sobrancelha de criança.

Estão a ver como tive uma infância fodida? Tenho as minhas razões para ser assim.

quinta-feira, setembro 25

meu baby

Ontem fiquei derretida com uma criança.

(ai de quem se atrever com o discurso “ai esse institnto maternal, esse relógio biológico, sua alucinada por bébés”)

(Credo. Espero que isto acalme quando o meu felino chegar.)

Tinha ares de ser nepalesa ou indonésia ou vietnamita e do meu ponto de vista tambem podia ser tailandesa,

(ai de quem se atrever com o discurso “não entendes nada de fenótipos, sua burra alucinada por bébes”)

Devia ter uns 4 anos e estava completamente autista, com o olhar a vaguear nitidamente noutra dimensão, enquanto fazia um discurso cantado alto e bom som, para vergonha da mãe:

Os policias cheiram maaal!
Os policiaaas são maus!
Os policias são mesmo feiiii–os!


(fez uma pequena pausa para tirar a pastilha da boca, admirou-a durante 2 segundos e voltou a mascá-la)

Os policias cheiram meeeesmo meeeeeeeesmo maal!
Eu não gosto nada de policias e mais ninguem gosta deles tambeeem!
Pois são mesmo maus e cheiram mal e são feios e maus e eu não gostoooo!


Adorável.

segunda-feira, setembro 22

agradecimento



De há uns tempos a esta parte, muito me tem apetecido deixar aqui o meu agradecimento sincero a umas certas senhoritas. Falo de uma espécie que, não tendo nada de interessante para fazer, se entrega a uma actividade antiga e não é pinar (isso é coisa que elas certamente não fazem com o terror que alguém descubra que são humanas e abanam).
O que esta espécie gosta mesmo é de foder o juízo alheio. E embora pareça contraditório, tenho de agradecer a este tipo de mulheres.

Obrigado por trazerem sempre o nariz torcido, a testa franzida e uma expressão constante de “dahh” nessas fuças. Devo dizer-vos que muito me alegram pessoinhas com um certo ar de trissomia 21.

Obrigado por terem 3 palavras a boiar aleatoriamente no lugar onde era suposto haver um cérebro, sempre em screensaver mode – Celulite, Laxantes e Rugas.
Obrigada pela vossa capacidade cobarde de medir forças pelo número de centímetros com que uma gaja se aguenta em pé, pelo número das calças ou pelo tamanho do sutiã.
Obrigada pela terapia de choque gratuita e bastante útil a uma ex-toxico-independente que esteve agarradinha à indução de vómito e ao abuso de diuréticos.

Minhas lindas:

Eu não tenho medidas 86-60-86 como podem verificar a olho nu, não tenho uma barriga lisa e seca, não tenho um cu de brasileira, não tenho uma altura de modelo.
Por outro lado tenho celulite, tenho flacidez, tenho cabelos quebradiços e tenho 5kg a mais e ainda por cima muito localizadinhos que eles estão, e não são muitos!, e não sou poucos!.

Obrigada por me lembrarem disso todos os dias.

Vocês obrigam-me a exercícios e a longas conversas comigo mesma. São conversas de um grau de intimidade tal, que vocês nunca terão porque se sentem desconfortáveis com o que são. Nunca nada está bem não é? Os filhos têm sempre qualquer coisa maçadora, os maridos sempre qualquer coisa irritante, a casa sempre qualquer coisa que falta, o carro sempre qualquer risco que incomoda, as férias sempre qualquer coisa a menos que as das amigas, as unhas sempre qualquer coisa que estala, a cabeça sempre qualquer coisa que dói, no mundo sempre qualquer coisa que enjoa e em vocês sempre qualquer coisa que não está nada nada bem.

Estão presas na falácia de um Perfeccionismo que nada tinha a ver com a minha antiga. Eu tinha um problema e a única pessoa que se fodia com isso era eu.
Vocês vivem uma crença fundamentalista e não se coíbem de foder o juízo dos outros, com todas as indelicadezas a que se permitem, tentando converter ateus a uma religião-massacre.

Obrigada por me ajudarem a recapitular as lições da minha sobrevivência.
Mas preciso que entendam: eu não tenho culpa de ser mais inteligente do que vocês, mais nova do que vocês, mais enérgica do que vocês. Eu não tenho culpa de ter uma família louca e maravilhosa. Eu não tenho culpa de ter uns amigos fantásticos e ainda mais divertidos do que eu. Eu não tenho culpa de ser independente, de ter a minha casa, o meu salário, os meus horários, as minhas idas ao cinema, as minhas festas, os meus jantares, as minhas compras egoístas, as minhas paixões e as minhas paixões. Eu não tenho culpa de ter uma vida-antípoda-dos-vossos-sonhos e não tenho culpa de me espatifar toda, de cair, de errar e de ceder dentro do possível (e às vezes dentro do impossível) ao que me apetece.

Agora continuai na vossa vidinha. Eu já estou satisfeita. Agradeço as vossas piçadas maldosas e não quero mais. Quero viver de uma forma muito diferente da vossa e com todos os problemas que isso me proporciona. Não é? Bastantes até! Mas tão risíveis e idiotas como vocês.

Tenho de vos avisar que a partir de agora, qualquer tentativa para me fazerem sentir anormal vai fazer ricochete.

Valha-vos a santa fluoxetina não é?

terça-feira, setembro 16

dark lady

Sinto-me Edward Gorey, Arcade Fire e Sylvia Plath. Tudo junto.


“Perhaps when we find ourselves wanting everything, it is because we are dangerously close to wanting nothing."
S.Plath

sexta-feira, setembro 12

amanhã este blog faz anos OU I hear voices


Apíi buurtei tu blóg
Apíi buurtei tuu mi
Api buuuurtei tu aaase
Api buuurtei to iúu! Cu! Cu!


Se o meu pai soubesse da existência deste blogue, este aniversário seria agraciado com uma cena que se repete 5 vezes por ano na minha casa.
Há uma tradição inquebrável no nosso núcleo familiar – eu, mãe, pai, irmão, cão. Também há os gatos, mas tivemos a delicadeza de os poupar a isto pois eles ficavam bastante nervosos.

Sempre que um de nós faz anos, o chefe do clã – o Papi - mantém um estranho ritual (juro por deus que é verdade, tenho amigos que já assistiram e não me deixam mentir):

a) Se estamos em casa, o Papi desce as escadas pela manhã, dando pequenos pulinhos, geralmente de cuecas, enquanto grita “Apí burtei tu iú! Cu! Cu!!” Atenção – este comportamento repete-se inclusivamente na sua própria data de aniversário. Eu, que sou das primeiras lambonas alapadas à mesa do pequeno-almoço, engasgo-me sempre.

b) Se é ritual à distância, é qualquer coisa como isto:


Eu - “Estou papi?”

Papi - “Api burtei tu iú!! Cu! Cu!”

(Ele ri-se. De nós os 5, é o que acha mais piada a esta macacada)

Eu - “Ahh…obrigada pai…estou a ficar ve…”

Papi - “Cu! Cu!”

(mais risos do outro lado da linha)

Eu abano a cabeça e não consigo deixar de sorrir, o que deve ser dos nervos.

Papi – “Vá filhota, passa um bom dia ok?”

Eu (sereno um pouco) - “Sim…olha lá, a minha prend…”

Pai – “CU! CU!” (ri-se alarvemente)

A esta altura é impossível prosseguir qualquer conversa.


Mas como o meu pai não sonha com a existência deste blogue, vou festejar normalmente e desconsiderar o facto do aniversário ser só amanhã. O que dizem que não agoira nada de bom ao aniversariante. Paciência blogue. É que amanhã vou partir para um resort bastante longe de Portugal. Só estarei a mentir se por um grande acaso não ganhar o Euromilhões de hoje.

Por isso o discurso de aniversário tem de ser agora mesmo:

(Aclarar a voz, kleenex numa mão, microfone na outra)

Há exactamente um ano atrás estava a passar uma tarde algo difícil no meu trabalho. E como tinha mesmo muita coisa para fazer, senti aquele apelo idiota de me distrair com outra coisa qualquer que fosse pouco séria e que me fizesse esquecer as preocupações. Ali, no imediato, era impossível alcoolizar-me.

Estou a brincar! Por acaso era possível.
Mas estava sensível nesse dia, lembro-me perfeitamente.

(As pessoas sensíveis não são capazes de matar galinhas, porém são capazes de fazer um blogue.)

Volvido um ano de blogue, devo dizer que até estou a gostar de vir aqui. É divertido. E é divertido sobretudo porque vocês de vez em quando até passam por aqui e comentam estas palhaçadas, o que me faz sentir menos sozinha na minha loucura. E porque vocês também não batem muito bem da mona, o que mais divertido é! E entre o vir aqui e ir aí sempre se vai aprendendo mais alguma coisa, que não há coisa mais bonita que a troca de saberes. (“bonito, bonito…”)

Já estão mimados o suficiente? Podem continuar a aparecer se quiserem. Prometo que não vos faço mal.

quarta-feira, setembro 10

um dia vai ser assim

Para lá da janela, as árvores.
Para lá das árvores, o mar.

À noite, dentro da janela e para lá da janela, até às árvores e para lá das árvores, até ao mar e no mar - uma grande festa:

karaoke
piscina e jacuzzi
maçãs
pistolas de água
caipirinha
insufláveis
gelados
carrinhos de choque
trampolins gigantes

e há-de haver mais coisas nesse playground

dress code - chinfrim

Vocês sabem que um dia vai ser assim, não há hipótese! Estou condenada a ter um património brutalíssimo e uma vida requintada. Não sei antever o meu futuro de outra maneira.

Amores da minha vida, inspirem-se!
http://www.lastnightsparty.com/karaokekilled/index.html