quarta-feira, fevereiro 18

alex kidd in the enchanted castle

Não gosto de perder. Sou estupidamente competitiva e tenho a mania que tenho de ser a maior. Sempre que se afloram defeitos e dou de caras com os meus erros, imperfeições e outras coisas menos cândidas, espumo um bocadinho pelos cantos da boca e tremo de nervos, dando ares de epiléptica. Pronto, estou a exagerar. Mas fico enervada e tenho vontade de me bater.
Como tenho um pedacinho de amor-próprio, consigo escapar à auto flagelação – pelo menos física, porque a mental já tem estatuto de passatempo – e canalizo essas más energias noutras pessoas.

Por exemplo, lembro-me perfeitamente: uma vez eu e o meu irmão estávamos a jogar Alex Kid na Master System

(esperem que agora estou a respirar como deve de ser para digerir melhor esta recordação tão emocional. É que eu e a Master System tínhamos uma relação que não era relação. Era comunhão. Já agora aproveito para dizer que o nível de coolness de um jovem pode ser estimado na base da relação de companheirismo que manteve/ mantém com Sonic ou com o Super Mario. A Lara Croft é para sapatonas e pervertidos.)

Então, estávamos a jogar em mode competition e eu estava a ganhar por um nível de avanço. E estava o Alex Kid com o seu ar extremamente macaco-maricas-garcia-bernal,

(eu se estiver bem disposta, consigo ver o Garcia bernal até num papo-seco)

comandado por mim, a tentar o tudo por tudo naquele reino.
Ora escorria-me já um fino fio de baba devido à tensão idiota da minha língua espetada contra o canto da boca, quando falha o meu jogo de polegar e pum!, acabou-se a última vida e a aventura naquele nível onde nunca tinha estado e que tanta adrenalina me estava a dar em generosas doses.
Imediatamente, tal como o Marco pontapeou a Sónia, eu pontapeei a consola, mas não me senti minimamente satisfeita e por isso comecei disparar impropérios ao meu irmão “e a culpa é toda tua seu estúpido! Seu batoteiro de merda, tocaste-me no braço e eu não deu para fazer o truque das setas esquerda-direita-esquerda, seu parvalhão!! Vais comê-las!!”

Não lhe pude empregar qualquer tipo de sanção física, porque assim que se deu o pontapé do Marco na Master System já o pequeno ia longe - ele tinha a perna curta mas eu era gorda, de maneira que mais valia usar a inteligência que me é característica.

Chorei um bocadinho em silêncio mas durou pouco. Tentei almoçar tranquilamente enquanto a poeira assentava. À tarde, já estava muito mais serena, embora com um olhar doentio (eu sei porque fui ao espelho rever o discurso que preparei).

Chamei o meu irmão:

- Maninho, temos de ter uma conversa muito séria. Foi a mãe que me pediu para te contar isto…tens de ser muito forte e nunca te esqueças que nós os três gostamos muito de ti.
- (olhos muito abertos, gago e sopinha de massa) o q-qué que se p-p-p-passhsa…?
- Mano…quer dizer, mano de coração… É que… a mãe e o pai são os meus pais mas não são os teus. Tu és adoptado…
- Nãaaaao! Nãaao sou nada sua estúpida!!
- Maninho, és sim. Porque é que achas que eu tenho muito mais fotografias, por exemplo? …Eu sei que custa muito, é difícil…quer dizer, deve ser. Os teus verdadeiros pais morreram…e os meus com pena de ti, adoptaram-te. Mas pronto, nós gostamos de ti na mesma…
(apliquei o velho truque para marejar os olhos que é não pestanejar, doa o que doer)
O pequeno, coitadinho, começou a espernear como se o tivessem a matar, desceu as escadas até à cozinha e abafou os gritos no colo da minha mãe. Contou-lhe tim-tim por tim-tim o que lhe fora dito, enquanto eu ouvia o relato no corredor e reprimia a vontade de urinar as calcinhas, tal era o medo da colher de pau que havia de assentar repetidamente no meu lombo, pernas, cu – onde calhasse.

E calhou, efectivamente, calhou e em vários sítios. Levei uma grande coça. Não me serviu de muito, porque continuo com muito mau perder, mas pronto.

12 comentários:

sweetie disse...

O Mário fez parte da minha infância e à conta do Mário tive conflitos físicos (não com o irmão, mas com o primo, o que pró caso não interessa nada) portanto percebo a tua vingançazinha =P Aposto que agora o teu irmão é uma pessoa muito mais forte LOOL *

crème fraîche disse...

eu tentei essa táctica com o meu irmão também, mas não surtiu metade do efeito. aliás, não surtiu foi efeito nenhum, pq da boca dele só ouvi "'tá mas é calada".


e eu calei-me. lol

Golem disse...

Fiquei sem saber se gostas ou não do Bernal...? É que depois dos "Diários de Motocicleta" ele subiu muito na minha consideração... Mais, se eu fosse gay e se fosse adolescente, era homem para ter posters dele e do Edward Norton no meu quarto.

Cindy disse...

O que eu me ri!!!
A valer!!
Beijos!

MissKitsch disse...

AH AH.
Que genial!

Porque é que toda a criança é traumatizada com essa cena da adopção? A mim o meu irmão disse-me que me tinham tirado do Continente, na prateleira das papas Nestlé. Porque a minha família, cigana, não tinha dinheiro para me criar.
O pior é que eu acreditava - o que não atesta a minha inteligência!


Enfim, e perder é foda, na verdade!

Rita disse...

LOOOOOOOOOOOOOOOL! Parti me a rir com este post! :P eu também sou estupidamente competitiva!!

P. disse...

ahaha! a parte das consolas passou-me um bocado ao lado, mas a parte de a minha irmã me dizer que! eu era adoptada... reconheço-a!

Laura Rodrigues disse...

Ahahahaha!
Adorei...! Pois, os irmãos são todos iguais porque eu também vendi a mesma cantilena. Mas não levei coça porque o meu irmão não engoliu a tramóia e ainda acrescentou que adoptada tinha sido eu, ao que respondi (e nunca me vou esquecer deste episódio): resume-te à tua insignificância! E o meu maninho vira-se e diz: não, não resumo porque a minha insignificância é muito grande. Ora aí está!

Mas tenho que te louvar porque a tua cantilena teve requintes de malvadez que a minha não teve, daí o puto não ter acreditado.

Miss G disse...

Bolas, o meu irmao nunca foi nessas cantigas. Talvez só tenha caído uma vez na esparrela.
Depois disso, respondia sempre a qualquer provocaçao :"és má, feia e gorda!"

Mak, o Mau disse...

Foi por isso que eu decidi ter rapidamente mais de 1,80m para a minha irmã mais velha nunca investir nesse tipo de brincadeiras.

Para quê deixar para os pais o trabalho sujo...

Anónimo disse...

"estupidamente competitiva" ou "competitivamente estúpida"?

Eis a questão.

LOOOOOOL

Sanxeri disse...

Que mázinha!!