segunda-feira, novembro 30

programa de festas do feriado

Ora bem: conto entrar em festa hoje já pelas zero horas, com grandiosos festejos em honra da minha libido que continua a vingar-se de horrorosos meses de celibato. Pequena pausa para beber água e/ou Isostar, fogo de artificio a cargo da Pirotecnia Marte (vocês é que não têm os elementos necessários, mas garanto-vos que a escolha deste nome é genial), conjunto musical da responsabilidade do iTunes em modo aleatório (tal qual esta cabeça tonta).
Encerramento da primeira parte antes das 3h, desocupação do espaço e encaminhamento do público presente para o olho da rua, que a cama é enorme e extra confortável mas é toda minha.
De manhã há esfoliações várias e uma pequena arrumação do quarto-closet (não é extraordinário? Só por causa das merdas vou repetir: quarto-closet, quarto-closet, quarto-closet…ah a vida é espectacular).
E depois de um almoço ligeiro vou seguir com o meu cartão bancário (já vos disse que os meus pais anteciparam a prenda de Natal? Só por causa das merdas vou repetir: prenda de Natal, prenda de Natal, prenda de Natal…bolas, realmente, que vida incrível) e hei-de-me dirigir a diversos espaços comerciais que vendam tipo roupa tipo sapatos tipo botas tipo bolsas tipo acessórios tipo artigos diversos que me fazem falta e quando voltar a casa às tantas vou experimentar tudo o que foi já experimentado nos provadores, só para me armar em big shot e confirmar pela quinquagésima terceira vez do dia que a vida é mesmo grande cena.
Em chegando à noite sou pessoa para tentar ultrapassar o nono nível do pacman (está difícil) e, ah! tenho o sims 3 a descarregar, portanto posso mas é começar a construir a casa dos meus sonhos com a batota do dinheiro.
À noite acho que acabo um texto que comecei ontem, oiço umas musiquinhas, revejo Weeds na 2 e se tudo correr bem, sonho com o meu patrão furioso a pedir-me pontos de situação e relatórios, mas como a vida é extraordinária (pelo menos na minha cabeça), seja cega, surda e muda se não me hei-de virar para o outro lado e esquecer-me de todas as merdas que tenho para fazer.
Dúvidas?

quarta-feira, novembro 25

bom descanso

Na próxima terça é feriado mas acho que na segunda não fazem ponte em Entre-os Rios.

queria apontar isto num lugar onde não me esquecesse

A ONG que faz falta: recolher tudo o que é desperdício de supermercado, bolos que não se venderam no dia, embalagens com mossas que não fazem mossa, os ferrero rocher no verão, os iogurtes cujo prazo acabou (mas que toda a gente sabe que ainda se comem 15 dias depois, eu própria já mandei um bem bom passado um mês), e distribuir pela malta que não tendo pão comeria brioches.


Isto existe cá ou ainda é trabalho por fazer?

segunda-feira, novembro 23

só ando a tomar vitamina c

Ai meu deus, tenho um milhão de merdas para fazer.

Quero, se faz favor, uma equipa de power rangers com luvas que fazem paurww! paurww! e luzinhas que complicam o sistema nervoso dos epilépticos (pessoas que gostam de chamar a atenção e espumar pela boca) mas que a mim muito me encantam.

quinta-feira, novembro 19

analisando o extracto bancário:

pagamentos na Oysho, Woman’s Secret, Intimissi, Alberto Silva Garrafeiras e diversas Farmácias Portuguesas.

Eu não me importo mas o segundo titular desta conta bancária pode não achar graça. Para todos os efeitos isto foram tudo meias e cêgripes. Ah e comprei uma garrafinha de vinho para te oferecer pai! Foi só isso.



quarta-feira, novembro 18

já que anda tudo a falar de livros para o natal eu não quero ficar atrás

A Elisabeth foi-se embora
(com algumas coisas de Anne Sexton)

Eu que já fui do pequeno-almoço à loucura
eu que já adoeci a estudar morse
e a beber café com leite
não posso passar sem a Elisabeth
porque é que a despediu senhora doutora?
que mal me fazia a Elisabeth?
eu só gosto que seja a Elisabeth
a lavar-me a cabeça
não suporto que a senhora doutora me toque na cabeça
eu só venho cá senhora doutora
para a Elisabeth me lavar a cabeça
só ela sabe as cores os cheiros a viscosidade
de que eu gosto nos shampoos
só ela sabe como eu gosto da água quase fria
a escorrer-me pela cabeça abaixo
eu não posso passar sem a Elisabeth
não me venha dizer que o tempo cura tudo
contava com ela para o resto da vida
a Elisabeth era a princesa das raposas
precisava das mãos dela na minha cabeça
ah não haver facas que lhe cortem o
pescoço senhora doutora eu não volto
ao seu anti-séptico túnel
já fui bela uma vez agora sou eu
não quero ser barulhenta e sozinha
outra vez no túnel o que fez à Elisabeth?
a Elisabeth foi-se embora
é só o que tem para me dizer senhora doutora
com uma frase dessas na cabeça
eu não quero voltar à minha vida


terça-feira, novembro 17

xi na pá man, havia de me conter mas não consigo

Não ponho as minhas mãos no fogo (ou ponho mas tiro logo) mas quase que aposto que me tornei na gaja mais cool do mundo. É que nem uma birra, nem uma preocupação, nem merdinhas, nem inseguranças, nem nervos miudinhos, nem maus-tratos, nem uma situaçãozinha para amostra que revele traços de carácter menos positivos ou angústias diversas. Caramba, como é que me tornei uma mulher tão extraordinária?

(EGO ALERT: SPACE LIMIT EXCEEDED)

hey santa, topa-me estas babes




compram-se aqui e a Luna também é capaz de querer uma.

domingo, novembro 15

quantos somos?

Só quero deixar bem claro que nunca, NUNCA, lavei as mãos com um gel asséptico, desses que estão aí em qualquer lugar por causa da gripe A.

Obrigada por estarem aí desse lado, sempre atentos às minhas intervenções de grande valor.

sexta-feira, novembro 13

so cool

Hoje, dia 13 de Novembro de 2009, a minha vida mudou. Falei com um anão verdadeiro, ao telefone.

quinta-feira, novembro 12

zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz

E no dia em que este blogue atinge as 100.000 visitas, a sua autora atinge outras cenas. Ainda assim, a sua autora, que hoje não fez mais que falar na terceira pessoa e tentar manter um semblante que se coadunasse com as diversas tarefas e responsabilidades a cumprir, não podia deixar a ocasião em branco. A autora agradece imenso todo o carinho e ternura, mas adianta que o que prefere mesmo são putas e vinho verde. Putas talvez seja exagero, mas vinho verde é mesmo bom nas alturas certas. A autora vai então proceder ao repouso, não sem antes enviar os seus bons cumprimentos aos 100.000 bandidos e bonecas que por aqui andaram.

não sei quê, uma grande seara de trigo, e puff! fez-se chocapic

estou cheiinha de sono.

terça-feira, novembro 10

é que não consigo pensar noutra coisa, escrever sobre outras merdas, falar sobre outras cenas

e a perspectiva de não serem necessários lençóis polares é espectacular. É que demoram muito mais a secar no estendal, não estão bem a ver.

Pá, estou insuportável.

segunda-feira, novembro 9

lady doce chamada à recepção, por favor, lady doce chamada à recepção

No dia em que eu deixar de me armar em viúva negra,

(leia-se: no dia em que eu deixar um homem entrar na teia sem o atingir com uma bigorna na cabeça, esmagando-lhe o cérebro e sujando o meu vestido com uma mioleira salpicada por todo o lado),

o mundo será meu e aí sempre quero ver como se safarão as restantes fêmeas alpha deste mundo.

sexta-feira, novembro 6

na playboy perfeita

"...o que dizem dos pretinhos é mesmo verdade, mas a minha mana vende óptimas fragrâncias da yves rocher."

Luciana Abreu falou-nos sobre Djaló (que depois do coelho e do gato, foi o animal escolhido para tapar as partes que costumamos tapar)


[numa edição pensada por Lady oh my Dog! e pelo engenheiro Renato Carreira (Engenharia Têxtil, Instituto Politécnico do Alvo Vouga, 1991-1994)]

quinta-feira, novembro 5

precisa-se empregada doméstica para estágio não remunerado

A casa é pequena mas eu desarrumo-a com facilidade e embora não esteja a fazer quimioterapia, o meu cabelo cai que é uma beleza pelo que o aspirador tem serviço diário, pode aprender a usar o aparelho que disponibilizo (bem como os respectivos sacos, tudo por conta da entidade que sou eu). É um aparelho amarelo da Indesit, espectacular, funciona em várias velocidades, com um poder de sucção eficaz e várias peças para adaptar consoante a necessidade.

A minha roupa ultimamente anda aos montes pelas cadeiras e pelos móveis, há imensos cabides vazios, tenho uma tábua de passar a ferro por estrear mas terá de trazer o seu próprio equipamento de engomar que eu nunca tive.

Há loiça por lavar, com vários graus de ressequimento, que se acumula de pequeno-almoço para pequeno-almoço. Luvas e detergente com aloé vera é por conta da casa.

Os lençóis devem ser mudados todas as semanas, tolhas sempre limpas no toalheiro e os tapetes gosto deles num mimo. Não se importe se a vizinha de baixo resmungar quando os sacudir à janela, eu própria não lhe ligo nada.

O meu sonho é ter a casa sempre muito aprumadinha, mas eu não sou capaz e adoro jantar no sofá (ainda por cima). Os sapatos e o roupeiro se tivesse organizado ajudava-me imenso e eu assim sempre evitava a aquela fúria matinal que tanto mal me faz à pele (e sempre são uns trocos que às tantas poupava em antioxidantes e que nunca se sabe se findo um ano de estágio, não reverteriam a seu favor).

Para já não tenho qualquer euro para lhe pagar, ando a gastar tudo em perfumes e refeições fora, mas isso é o menos. Sou simpática e afável e se tiver filhos não me importo de lhe ceder os brinquedos da gata que me abandonou, que esses ainda andam a rebolar pelo chão.

A vida custa a todos e imagine a minha – ando a trabalhar umas 12 horas por dia, fora as horas em que não estou a fazer nada mas que estou ocupada a pensar no que tenho para fazer.

Acrescento ainda que tenho um rádio a pilhas, muito bom e à prova de água, o que dará imenso jeito quando estiver a remover as manchas de humidade entre os espacinhos dos azulejos do poliban.

Não imagina como sou bonita e repare – não seria uma honra servir-me? Podia até dizer que somos grandes amigas e no natal trocaríamos presentes.

Mande a sua candidatura ainda hoje!

terça-feira, novembro 3

mas foi dito com muita graça e ternura, foda-se

mas bom, só por causa das merdas não escrevo nem mais uma linha sobre isto.
só em words que gravarei numa pasta chamada "my secret diary".

segunda-feira, novembro 2

i like to move it, move it

Estou capaz de me deitar na cama e desmaiar num instante. Dizem que quem corre por gosto não cansa, mas isso são mentiras, tudo mentiras. A diferença deste cansaço é que uma pessoa põe-se debaixo do chuveiro de água quente e não pensa em merda. E não só não pensa em merda como pensa em coisas muito boas, como na próxima estratégia, na próxima reunião ou na próxima outra coisa qualquer que hei-de me há-de vir.

E agora vejam estas gajas podres de boas (puta que as pariu). E atire a primeira pedra quem passou o verão sem bater uma única vez o pezinho à conta disto que passou em tudo quanto é Berska.


posso apagar a luz

hoje estou aqui