quarta-feira, dezembro 30

estou a usar uma pulseira que tem vários penduricalhos. a saber:

um pompom verde

um pompom preto

um coração dourado

um coração prateado

uma pequena pena lilás

uma conta de vidro redonda vermelha

uma conta de vidro cilindrica azul

uma conta feita em crochet com um guizo minusculo todo tlim-tlim

Eu não era assim, a sério. Podem proceder ao internamento

da vossa sempre,

tia-freak

camorristas numa cave qualquer em casal di principe a jogar uma suecada, tão divertidos que eles estão



é que até os santos parecem suspeitos.
Já encontrei alguns empresários no facebook (cujos amigos são, por exemplo, Silvio Berlusconi e páginas associadas, por exemplo Mozzarella di Bufala).
Ando a conter por todos os lados a vontade de enviar uns friend requests. A culpa é do Roberto Saviano (o que escreveu isto e que agora está fodido para todo o sempre) (leiam lá o livro antes de verem o filme) que conta tim-tim por tim-tim, quantos são, quantos são e nomes, idades, localidades, nomes de rua, números de porta and so on. É maravilhoso isto tudo.

E que grande foto.
(quem não se deliciar com estas merdas é um ovo podre)

quinta-feira, dezembro 24

eu sei, eu sei

este blogue está mesmo uma merda, têm razão, não preciso de mais advertências e quero desde já tranquilizar-vos:
há enormes possibilidades de isto acabar de um momento para o outro, daqui a nada ele há-de ficar encantado por outra qualquer ou eu ainda me enjoo primeiro, não sei, e depois onde é que vou chorar todas as mágoas e regurgitar a acidez e etc., onde? onde?
pois, exactamente.
e depois já se sabe, até que me interesse por outra pessoa assim como deve de ser, há-de passar pelo menos um ano de posts cheios de pinta.
este natal (amigos do peito e desconhecidos), fiquem aí a torcer pela minha miserabilidade e frigidez emocional e outras coisas maravilhosas que me entreguem às drogas duras como gente grande e, claro, que alimentem este blogue como vocês mais desejam.
agora se me dão licença,
um abençoado natal para todos.

terça-feira, dezembro 22

breve apontamento

Com tanto mimo até apetece continuar constipada. Ele é sopas ao jantar, ele é xaropes em aviõezinhos (exactamente, leram bem, não tenho vergonha nenhuma na puta da cara), ele é leite quente com mel a meio da noite...Deus, Deus. Tu bem sabes que eu mereço tudo isto e muito mais (o Justin Kirk dar-me uvas à boca numa praia da Califórnia - fica a dica).

segunda-feira, dezembro 21

dias 24 e 25: as cenas do costume

- conto aproximar-me da minha progenitora e relembrá-la que “Tens uma filha que é um encanto, não anda metida na droga nem nada, já viste o Natal triste que poderia ser? Eu sem dentes, sem equilíbrio, a roubar-te as pratas da casa, a bater no meu irmão que com pena de mim não me devolveria os pontapés…” (costumo desenvolver estas ideias até ao “CALA-TE! ESTÁS A ENERVAR-ME!);

- conto oferecer as massagens mais interesseiras às costas do meu pai: “Já viste a rica filha que tu tens? Podias ter perdido esta filha para a droga, mas não, tenho uma vida tão organizadinha, nunca chumbei na faculdade, não sou como esses indecisos falhados que mudam de curso já a meio e sempre fui tão poupadinha não fui? A minha casa está a ficar linda…só estou a precisar de comprar um sofá….”

- e continuarei a ronda com um: “Olá Avó!! É a sua neta! A MAIS VELHA! AQUELA QUE A AVÓ GOSTA MAIS!!” (nesta altura tenho de me afastar rapidamente para não levar na cara e não me estourarem os ouvidos com o “CALA-TE PARVA! ESTOU BEM MELHOR QUE TU!”;

- e o meu irmão merecerá para sempre o eterno clássico “Ambrósio…apetecia-me algo bom…já sei! Um Ferrero Rocher. Rápido. E dos teus, que os meus são para um projecto que tenho em mãos chamado “Reciclagem de Presentes”. Vá, andor violeta!

sábado, dezembro 19

xukebox

Pede-se aos proprietários dos veículos 55-20-DT; 71-11-KC e 42-18-VF o favor de comparecerem junto ao balcão de informações. Obrigada.

(senti um apelo enorme para escrever isto mas é pena que não tenha nada a ver com o que tenho a informar: hoje estou no Xukebox, mais concretamente na Guest Box. Ora vede.)

sexta-feira, dezembro 18

vá lá, vá lá, vá lá, vá lá

o melhor presente de natal, aquele que me faria dar trinta e dois pulinhos histéricos e que me levaria às lágrimas, era exactamente isto



se alguém estiver interessado em ofertar, é enviar um e-mail e eu juro que ofereço contrapartidas (se és um blogger infeliz e solitário, farei de ti um ser social, em rondas várias pela noite de Lisboa – mas cada um paga as suas cervejas)

quarta-feira, dezembro 16

como sobreviver neste mundo cão

Não liguem ao post aí em baixo não. Depois venham-se cá queixar. Só para terem uma ideia, ontem apliquei tantas regras de fêmea-alfa, que hoje quando cheguei a casa tinha o lixo no lixo, a cama feita, a roupa mais ou menos dobrada em cima de uma cadeira e a cozinha num mimo.

Vamos ao exercício prático:

Estava ele a contar quando é que tinha reparado que eu era a gaja podre de boa que sou e eu, com toda a filha da putice que me caracteriza, abri muito os olhos e disse

A sério?!

Seguido de

Eu nem me lembro de ti nessa altura...

Atenção a isto minha gente, a mentira está ao serviço da felicidade conjugal:

O macho fica com a feliz sensação de que é um caçador de fêmeas difíceis e indiferentes (isto é importante).

E eu fico com a loiça lavada (isto é ainda mais importante).

é pecar ou largar

A mentira, quando usada para nos tornar mais sexy, não é apenas válida – é obrigatória.

terça-feira, dezembro 15

ofereço-me para festas

Está bem, pronto, não falo mais da minha felicidade.

Onde é que vai ser a vossa passagem do ano?

Estamos a quinze dias da festa e eu não tenho nada pensado, nem um convite em cima da mesa, nem nenhuma ideia que me anime.

Ninguém me quer adoptar por uma noite e encher-me de acepipes e champanhe do bom?

me…you…the termoventilador…let’s make it happen.

Estou cá com uns olhos de lontra muito húmidos de fazer impressão a qualquer tratador do zoomarine e hoje já dei por mim a mostrar os dentes e a descair a língua involuntariamente umas três vezes, à conta das sucessões de memórias ridículas. Estou porreiramente leda e até estou a considerar trabalhar um bocadinho menos só para me dedicar a isto como deve ser. Fora de brincadeiras: estava capaz de passar um dia inteirinho na cama, que deus me perdoe.

segunda-feira, dezembro 14

ufff

Foi preciso o Berlusconi levar nas fuças para voltar a ter pesadelos horríveis. Um deles consistia no seguinte: eu e a minha linda família morávamos num bonito condomínio familiar, que, numa igualmente bonita tarde de domingo foi tomada de assalto por um gang qualquer que estava ali para um sangrento ajuste de contas (não consegui por mais adjectivos, lamento). O momento mais hediondo deste sonho foi quando me vi descalça e sozinha, a querer fugir dali, mas antes de me meter num táxi pensei “espera lá filha, vamos arranjar qualquer coisa para estes pés” e não é que, a única coisa que estava disponível por perto, à porta de uma vizinha, eram umas socas crocs num verde bélico muito feio e eu tive de me servir daquela merda? Preciso de um abraço e que alguém me diga “pronto, pronto, já passou”.

segunda-feira, dezembro 7

ainda agora estava ali espalhada à porta do trumps mas agora já estou cá

tive uma noite de sexta-feira com este rapaz aqui e com este rapaz acolá, como vocês nunca terão na vida (e eu própria já não posso reviver tudo nas exactas medidas em que foi acontecendo – vejam, vejam, eu a escarrapachar aqui a efemeridade da existência).

E foi realmente uma noite muito linda até à parte em que passei a comunicar exclusivamente por gestos lentos e sofridos, enquanto a minha bochechinha esquerda avaliava a temperatura da calçada. (dez, doze graus, mas como devem calcular é impossível dar-vos o número correcto)

sexta-feira, dezembro 4

pelize

Agora a sério, fora de brincadeiras: o que eu queria com todo o meu coração este natal não tem nada a ver com a paz no mundo. Não há por aí ninguém um pouco mais abastado ou que sinta uma espécie de ternura paternal por mim e que me queira oferecer isto? De que me adianta ter um blogue se ninguém me oferece nada? (Estou cheia de inveja dos tupperwares da Pipoca Mais Doce.)


quinta-feira, dezembro 3

promessas

Ora viva pessoas,

Cá estou, mais um dia bonito, por aqui não chove nem nada, está frio mas aquecedores existem, o meu verniz novo é lindo (risqué azul hortênsia) e recebi um e-mail da Super Bock a dar conta do Superblog Awards. Não sei o que é o prémio mas sinceramente, espero que tenham a bondade de oferecer ao vencedor oito Super Bocks por dia durante um ano, isso sim era ter visão e estimular a vidinha dos bloggers que, como sabem, são pessoas que têm o cu quadrado e a vida social resumida numa caixa de comentários, excepto eu, claro, que sou aquela tipa sempre porreira para ir para os copos (beber Super Bock).

Acho que me vou inscrever, porque o que o que mais gosto na vida é de Super Bock e mesmo o meu vídeo preferido do youtube é o do cromo da Super Bock e se ganhasse o concurso da Super Bock ia-me sentir para todo o sempre na obrigação de fazer uma campanha anti-sagres e até começava já a inventar mitos urbanos credíveis tipo “olha lá, já ouviste dizer que anda por aí um gang que chega ao pé de uma pessoa e pergunta “queres morrer, ser violada ou sorrir para sempre?” e quando a pessoa responde “sorrir para sempre” rasgam-te a boca com uma garrafa de cerveja sagres e é horrível”. E isto é só uma amostra do que poderia fazer a favor da venda de Super Bocks.


Número de vezes em que a Super Bock foi mencionada neste pequeno post? Oito.

O exacto número de cervejas diárias que preciso para entrar definitivamente nesse alegre mundo do alcoolismo, que tanto me atrai.


(percebi agora no fim disto tudo que o prémio são 1000 euros – se ganhar, comprometo-me desde já a estourar esse montante em Super Bocks (e vão nove!) numa festa onde reunirei o meu eleitorado, leitores e simpatizantes em geral e onde também estarei, devidamente não-identificada – ou não, mas só e só se arranjar um fato de garrafa Super Bock (dez! ding-ding-ding!!) que me assente muito bem.)