segunda-feira, março 29

o prato do dia

Ontem, por força de várias circunstâncias que não vos convém saber quais, estava incumbida de enfiar quarenta pessoas num local onde pudessem comer, beber e fumar da meia-noite para a frente.
Tudo reservado, certinho e direitinho, maquilhagem au point e aí vai esta que vos fala para o local combinado, com duas horas de antecedência apenas para informar a cozinha que um elemento se tinha convertido ao vegetarianismo nesse mesmo dia. Portanto, tinha de se arranjar uns fungos com cenoura ralada ou uma omeleta.

Dei com a porta fechada. Mão na anca e “maaaaau”.

21h30 – Lady à porta do local da comezaina – estabelecimento encerrado, técnicos de restauração nem vê-los. Telefone – ninguém atende.

Um café e três cigarros depois:

22h00 – tudo na mesma, “ai o caralho…” telefone; voice-mail, telefone; voice-mail e nada.
Dedos estalados e dois cigarros depois:

22h30 – Ai mulher!!! Daqui a uma hora tens 40 pessoas aqui, esfomeadas, entre as quais o teu patronato em peso com muita vontade de alapar o rabinho e despejar sangrias e isto está tudo fechado! Lá dentro só uma ténue luz a iluminar na vitrina dois doces da casa e uma mousse de chocolate - “TOU FODIDA”.

22h45 – encosto-me a uma parede, coloco a hipótese de rezar um pai-nosso mas não me pareceu viável, não tenho mais nenhum dedinho que estale, não tenho alternativa nenhuma, no plan B. Preparo o discurso de despedimento.

23h00 – vejo um impressionante casal de sapatonas a abrir a porta e atravesso a estrada:

Lady - “Oh meu deus, benditas sejam, estava a ver que não vinham!!!”

Sapatona 1 – Mas…mas…é a menina do jantar de grupo?

Lady – SIM!!!

Sapatona 2 – Mas querida…foi cancelado…infelizmente, por motivos de força maior, a gerência cancelou… por sms creio eu… e hoje estamos fechados, só viemos aqui por acaso, porque há uma infiltração e…
Lady finge uma espécie de desfalecimento.

Sapatonas 1 e 2 – ai ai ai ai, está-se a sentir bem??!

Lady – Oiçam com muita atenção: vamo-nos dirigir ali para a máquina das imperiais, vamos beber uma, esquecer tudo o que foi dito até aqui e VAMOS AS TRÊS PARA A COZINHA PREPARAR ESTE JANTAR.

Sapatona 1 - ahm…uhhmm…ahmm… não temos ordem da gerência…

(telefone toca - era a gerência. Sapatona 1 explica a situação, Lady finge falta de força nas pernas, Sapatona 2 passa a mão pelo pêlo da Lady, yadayadayadayada e OK TEMOS 20 MINUTOS PARA FAZER O JANTAR)

Cada uma mamou 2 imperiais de enfiada, música bem alta, aventais postos, descascar, cortar, por mesas, acender velas, limpar chão, temperar saladas, azeitonas nos pratinhos, linguiça a fritar, quinze jarros de sangria.
Pelo meio eu ainda disse “Não se preocupem com pormenores…são só homens”, ao que responderam num piscar de olhos “Ohhh…que pena!!”.

23h30 – chegam as altas entidades à espera de toalhas bem passadas (só se conseguiu toalhetes de papel) e bacalhau com natas (tínhamos bifes para toda a gente e uma omeleta) .

03h30 - O pessoal já tinha soltado a franga devido ao extra vodka na sangria, a Sapatona 1 já tinha conseguido um abraço meu (mamas XL vs. mamas L) e tudo correu muito bem.

Eu ainda estou um bocadinho nervosa mas isto passa.

sexta-feira, março 26

*suspiro*

Quero uma festa num espaço com as paredes todas forradas com aqueles calendários de bolso de gajas nuas que é preciso lamber para se ver como era antes da brazilian wax.

quinta-feira, março 25

Tenho muita pena de não ser como aquelas pessoas um bocado doentes que dizem “Deus ma livre de sair de casa sem a cama feita!”. Eu, na melhor das hipóteses, mudo os lençóis uma vez por semana e é exactamente nessa altura que a minha cama se encontra feita. Depois nunca mais a faço. Não me dá jeito – nem de manhã nem à noite.
Na minha casa, loiça por lavar nunca falta. O cotão só me começa a enervar quando já anda a esvoaçar junto aos rodapés. Tenho sempre pares de sapatos espalhados pela casa. A minha secretária é uma vergonha: papéis, livros, facturas, cds, um cinzeiro por despejar.
De vez em quando tento melhorar a pessoa que sou (umas duas vezes por mês) e é então que visto uma t-shirt velha que diz “BEBE SUMOL!” e umas leggings para não parecer tão assexuada. Desce sobre mim uma fúria tão grande, que na loucura do aspirador e uns minutinhos nos dois metros quadrados da minha “casa-de-banho” a snifar sonasol misturado com lixívia, começo a esfregar as loiças e a cantar Cranberries (inióoor éeeeeed, itsinióheeeeed, zoooombê, zoooombê zooombê ê ê ê ê).
Chego ao final do transe das limpezas e juro a pés juntos que a partir daquele momento tudo vai mudar e terei sempre a roupa passada e arrumada, nada de migalhas no sofá e nem um borboto no chão para amostra, nem sombra de calcário nos azulejos do polibã!
Uma vez, fiquei tão convicta que cheguei a cumprir com as minhas obrigações domésticas durante três dias seguidos.

iuu-huu!

Olá meu povo, é com muita alegria que vos anuncio a obtenção do lugar cimeiro na categoria Pessoal do Super Blog Awards. Agora está tudo nas mãos do ESPECTACULAR júri .
No dia 5 de Abril já saberemos se haverá festa ou não.
Proponho então um momento de reflexão e um pouco de silêncio.
Mas se o que vos importa mesmo é a possibilidade de mamarem cervejas à pala, juntem-se à comissão organizadora e encham a caixa de comentários com as vossas considerações, opiniões, desejos, detalhes de uma festa ideal, podem pedir músicas aos dj’s (pelo sim pelo não, já estão assegurados).
Pela minha parte…muito obrigada a todos, seus bandidos!

terça-feira, março 23

segunda-feira, março 22

fui eu, fui eu!

como fragilizar e manipular um progenitor

Mãe telefona para a minha residência oficial:

- Então filha? Onde é que tu estás? (clássico…)

- Mãe, vamos respirar fundo e pensar um bocadinho. Telefonaste para um 21… Tu chegas lá…

- Ah!... Oh. Parva! (risinhos nervosos de quem está a pensar “a minha avó morreu cheiinha de Alzheimer até aos dentes”)

- Mãe, eu aceito-te tal como és. Só para te ajudar – estás a falar com a tua filha favorita, a mais velha…aquela bebé perfeita que tiveste quatro anos antes do acidente a que vocês gostam de chamar “o teu irmão”…o tal que me roubou os mimos, a quem tinha de roubar os biberões para me safar da má nutrição…a quem passaram a dar todos os brinquedos… Ainda estão a tempo de me compensar. Nestas coisas, mãe, basta querer…

quinta-feira, março 18

infelizmente,

desci para o 5º lugar do concurso Super Blog Awards.
Mais um bocadinho e já não dá... é mesmo isso o que querem?
É? Pensam que é só clicar no meu endereço, vir cá ler o que vos apetece e quem se lixa é o mexilhão?

E escusam de dizer que me amam porque isso não é verdade!

detalhes do meu apartamento charmoso

O meu ordenado esfuma-se mais ou menos nas seguintes proporções:

35% - crédito à habitação do santander
15% - electricidade, água, gás e internet
25 % - alimentação e café
5% - transportes
5 % - cremes hidratantes
15% consumíveis diversos (tabaco, droga, álcool, papel de prata, livros, colheres, limões)

Devia começar a reduzir em coisas que fazem menos falta (alimentação ou electricidade) visto que não há qualquer possibilidade de adquirir um sofá nos próximos tempos, o que acaba por ser triste.
Neste momento só disponho de um monte de tecido cujas molas estão gravadas à pressão nas minhas (redondas, pequenas e futuramente firmes) nalgas.
Quanto à estrutura de sustentação:
Pé direito traseiro – uma lata de ananás enlatado sem açúcares adicionados
Pé direito frontal – 4 livros da colecção da visão (Alice no País das Maravilhas, Romeu e Julieta, Madame Bovary e Trópico de Capricórnio)
Pé esquerdo traseiro – uma lata de pêssego enlatado
Pé esquerdo frontal – está impecável (peça original, nunca foi substituída)

domingo, março 14

eu também trinquei um jarro às escondidas


Tenho vontade de escrever mas não consigo – a sensação que isto provoca situa-se entre a prisão de ventre e a abstinência.
Hoje dei conta que perdi os meus wayfarer.
Amanhã é segunda-feira.
O meu saldo bancário está bastante coerente com os tempos que correm e com a minha idade física de 26 anos.
Há qualquer coisa na minha vida que não me está a agradar, talvez seja muita vontade de viajar acumulada com a falta de um jacuzzi na casa de banho, onde, só a título de curiosidade, mantenho um pequeno polibã com manchas de humidade. E ainda hoje fui tomar café e vi uma senhora preta e bastante gorda com uma cara adorável, com covinhas nas bochechas e tudo, que era tudo o que precisava (que eu saiba as bimbys ainda não dão para por a cabeça em cima e festas nos cabelos e estas senhoras dão, de acordo com as telenovelas brasileiras).

quinta-feira, março 11

mensagem

Vejam só se isto não é extraordinário: finda a aula de pilates e já nos balneários, dou conta que uma fufa tarada teve o descaramento de me roubar as cuecas ou então perdi-as no banho turco. Não sei. Tive de voltar para casa com as calças em cima do pêlo.
(para quem está constrangido - o pior já passou)
Já em casa senti que nada me faria mais feliz do que aterrar em frente ao computador a repor o dobro das calorias que gastei – continuo a insistir com o meu corpo que a equação deverá ser esta. Enquanto navegava na net, e sentia aquela sensação estranha que é entender a textura das calças e o frio do fecho éclair sem um intermediário têxtil (a culpa deste texto é das endorfinas), constato que sou uma cuequinha importante no já de si importante blog da Rititi.
Deus está a tentar dizer-me alguma coisa não está?

terça-feira, março 9

desejos

Uns escrevem crónicas para o Ípsilon, outras para o 24 horas, outras recebem tupperwares em casa. Eu como não atraio esse tipo de investidores já me contentava com a festa da superbock. Faltam 15 dias para o final das votações. Quanto ao júri:
Não sei como convencer o Fernando Alvim, o Pedro Rolo Duarte ou a Maria João Nogueira. Quanto à Alberta M. Fernandes – é um Big Mac ou um Big Tasty? Faço-lho chegar à redacção ainda quentinho.

funciona

Há uma forma de ter o jacuzzi do ginásio só para mim: basta puxar a touca até ao nível das sobrancelhas, mantendo-as em completa pressão idiota e descair o maxilar deixando entrever uma língua morta. Ainda não houve ninguém que se tenha atrevido a partilhar aqueles metros cúbicos de água efervescente com uma doente mental lá dentro.

segunda-feira, março 8

humm.

Não estou a perceber porque é que hoje é segunda-feira, porque é que está a chover, porque é que a minha conta bancária está como está e porque é que não estou totalmente tonificada. Também não percebo porque é que a minha tia me adicionou no facebook.

quinta-feira, março 4

^^

De todas as decisões que tomei na minha vida, nenhuma fez tão pouco sentido como ir à aula de pilates às 7h30 da manhã.

comentário visto no blog que está a dificultar a festa super blog awards

“Amiga...entrei pela 1ª vez no ranking que tens aqui linkado e estou pasma! Perplexa! Em estado de choque! Com náuseas!
Estás tão mal acompanhada....!”

Amiga! Toma um comprimido para as náuseas! Isso! Passa! Sempre tua! Lady oh my Dog!

quarta-feira, março 3

feng shui

Os cinzeiros sempre foram símbolo de fumadores em casa, revelando-nos alegria, relaxamento e prazer. Cheios, podem significar desleixo e empestar as cortinas de mau cheiro, por isso o que será sempre aconselhável é a limpeza dos cinzeiros para um bom fluir energético.

Saiba onde colocá-los de acordo com as regras do feng chui:

No hall de entrada

- é um espaço onde não vale a pena ter cinzeiros

No quarto

- o quarto sempre foi um espaço de recolhimento, símbolo de paz e descanso. Contudo, o quarto é também conhecido por ser o ninho do amor, o pequeno retiro da volúpia lá de casa. Um pequeno cinzeiro poderá ser colocado para potenciar esse espaço de prazer, nos momentos pós cópula. É desaconselhada a utilização de mais de um cinzeiro.

Cinzeiros fora do sitio ou mal arrumados revelam falta de equilibrio. Cinzeiros roubados das esplanadas do café não são especialmente benéficos.

Se é fumador, procure lamber o seu cinzeiro com regularidade - assim como assim, já que tem a fama pode tirar o proveito e manter o bom karma da sua casa.

Bons fluidos para todos!

segunda-feira, março 1