segunda-feira, maio 23

e também preciso de uma massagem

Considero ligeiramente triste ser uma pessoa naïf. Iniciei a minha vida em 1983 - desde então as trapalhadas não foram poucas, pelo que me é dado a entender, estão para continuar, por isso é fazer as contas, somar as histórias, multiplicar os intervenientes e chegar ao resultado. Nada mais, nada menos que uma confusão do caralho. Continuo a achar que o crime não compensa, que às direitas é que é, a justiça tarda mas não falha e montes de outras coisas que fariam qualquer escuteiro querer ser meu amigo e até partilhar comigo um bollycao depois de executarmos um nó de catau.
Mas também estou tão desencantada que era capaz de dar uma nota de cinquenta a um gajo de Chelas que queira apertar alguém. É essa a minha natureza. Mas reparem como estou aqui firme no propósito de ser boa pessoa. Como só estou a pecar em pensamento. Assim é que é. Não é? É. Não é? É. Não é? É. Isto é uma luta interior para sempre. A não ser que queira meter nos corninhos, de uma vez por todas, que há pessoas mesmo – mesmo! – genuinamente más. E quanto a isso nada a fazer.

quinta-feira, maio 19

coisas que podem acontecer às 7h30 da manhã, quando se corre 5km depois de 3 semanas de pausa, com o sistema respiratório obstruído derivado à constipação e/ou alergias

ver este senhor, exactamente assim. a única diferença é que estava vestido a preceito para um funeral.
acho engraçado porque o meu cérebro não me costuma brindar com estas, digamos, brincadeiras, logo pela fresquinha. pronto, está decidido: vou deixar as drogas.

terça-feira, maio 17

iiac

Não suporto gente. Que escreve assim. Só porque acha. Que fica. Mais poético. Ou profundo. Ou. Sei. Lá.

segunda-feira, maio 16

cada vez mais feliz! mudar é bom.
e ainda por cima, também aguardo o reembolso do irs.

ps - as pessoas que apostaram na hipótese de emigrar erraram. e era logo para o Brasil! quem me dera, ia já amanhã.

quarta-feira, maio 11

o calor sempre me deu para isto

é verdade isso que dizem de eu andar um bocado nervosa. mas é só porque a minha vida pode mudar esta semana. e isso, parecendo que não, sempre implica alguma logística. e jogo de cintura. se calhar mais algumas coisas. ahh não fazem ideia do que estou a falar?

já diz uma conhecida grife esportiva (estou a escrever assim porque, de acordo com a generalidade da nossa imprensa nacional, expressões brasileiras é que estão a dar)

impossible is nothing:

- herdei qualquer coisa que se veja e vou viver dos rendimentos
- estou grávida
- estou à espera das análises que confirmam se afinal padeço ou não de um cancro
- vou mudar de trabalho
- vou-me casar com um desempregado de longa duração e alcoólico. e anão.
- vou finalmente fazer uma rinoplastia
- aguardo o reembolso do irs
- vou emigrar para outro continente
...
(work in progress)

quinta-feira, maio 5

um post com seis links. já estou cansada para o resto do dia.

Se se recordam, andava à procura do melhor rímel do mundo. Depois de avaliadas muitas hipóteses e de correr os fóruns do costume (este ou este), o meu objectivo foi-se tornando cada vez mais claro – queria pestanas de drag queen mas sem a parte da transferência do produto para as pálpebras inferiores e semi-circunferência abaixo do olho. Como devem imaginar, sou uma pessoa lindíssima, mas infelizmente tenho papos e pele gordorosa. Também sou sensível e qualquer coisa me faz chorar ou rir. E durante um dia de trabalho, esfrego os olhos de quinze a vinte vezes, como se esse hábito me revigorasse a vontade de fazer qualquer coisa útil.

Já tinha lido no Dia de Beauté que existe uma cena que é a tecnologia tubo – uma coisa qualquer que puseram na fórmula que torna o rímel invencível a tudo. Basicamente, em vez de pintar as pestanas, cria uma espécie de micro invólucro de borracha em cada uma delas. Isto é assustador, mas garanto-vos que sai tudo com água quente, não sendo por isso necessário cortar as pestanas pela raiz.

Queria ter comprado o pioneiro desta inovação – da Blinc – mas acho que não se vende em território português. Maneiras que adquiri este da Clinique (mais ou menos vinte euros) e reúno todas as condições para dizer que é espectacular. Estou muito feliz. I like to be a woman. Thank you very much por me terem lido neste pequeno momento de cinco minutos que roubei à vossa vida e porventura entidade empregadora.

(este é um post isento de manobras publicitárias. e já que estamos a falar disto a Maria Rita também tem umas coisinhas a dizer)