quinta-feira, setembro 15

copycat

pegando neste lindo exercício  que descobri nas macacas, segue um excerto de três minutos da minha cabeça por estes dias:

1. tenho tantas coisas para fazer.
2. preciso de comprar um creme de mãos.
3. será que cheiro mal?
4. está frio mas às vezes está calor.
5. não me posso esquecer de responder ao e-mail do outro.
6. tenho de fazer uma encomenda.
7. tenho de pagar a conta da electricidade.
8. está frio ou vento ou sei lá o que é que está.
9. não tomei a vitamina c de manhã.
10. já bebi água hoje?
11. tenho tantas coisas para fazer.
12. porque é que aquele fdp não me diz nada?
13. estou certa.
14. estou errada.
15. não, a sério, estou mesmo no caminho certo.
16. oh não! Ah, já fiz já. Uff. Esquece.
17. está tudo um caos.
18. está tudo um caos em casa.
19. o meu armário está um caos.
20. sou tão desorganizada.
21. tenho de ser melhor.
22. será que a T. se está a dar bem por lá?
23. estou farta de Portugal.
24. tenho de jogar o euromilhões.
25. um dia vou ser tão mais feliz.
26. tenho de beber mais água.
27. logo vou correr.
28. vou comprar um creme.
29. tenho fome mas não sei do quê.
30. não tenho fome nenhuma.
31. devia limpar a mala. a carteira. a mala. as duas.
32. como é que eu arranjo um livre passe para o queer?
33. vou tentar sair a horas.
34. tenho tantas coisas para fazer.
35. logo telefono ao D.
36. tenho de ser forte.
37. porque é que aquele fdp não me diz nada?
38. tenho sono.
39. será que devia aprender espanhol?
40. e se fizesse um workshop de fotografia?
41. meu deus, que calças tão feias.
42. qual será a minha vocação?
43. tenho de pelo menos aspirar a sala.
44. vou mesmo tentar sair a horas.
45. ó pá tenho frio.
46. ladrões, devia mudar o tarifário.
47. e se agora acontecesse um sismo?
48. coitada, ela não deve foder.
49. oh meu deus eu também não.
50. tenho de lavar ao menos a loiça.
51. este cabelo já teve dias melhores.
52. ando a perder cabelo.
53. espero não ter um cancro.
54. será que a J. é feliz? parece.
55. tenho saudades da N.
 56. preciso de café.
57. odeio yoga pelo amor de deus.
58. tenho de ir ao supermercado.
59. tenho tantas coisas para fazer.
60. será que sou má pessoa?

domingo, setembro 11

patine

há uns anos foi a mesma coisa e olha eu aqui. nem é a primeira vez que tenho a tendência de me maravilhar perante o horror. depressa as possibilidades são todas. volto a suspirar pelos cantos só porque sim, é uma paixoneta com os meus cotovelos para reviver, a miragem de um dia é que vai ser, aqueles futuros abraços, livros de bolso, congressos como um regresso às aulas, filmes que deixei a meio quando adormeci, revistas da especialidade e revistas cor-de-rosa, imensos drinques de três ou mais ingredientes, hotéis com uma vista espectacular, lembrar-me da geometria dos círculos. nem tudo está perdido e mais é domingo. 

quinta-feira, setembro 8

e agora retomamos a tragédia

tenho o coração despedaçado e é provável que nunca mais me venha a recompor.
não volto a acreditar no amor.

 

quarta-feira, setembro 7

estou a precisar de gozar comigo, só um bocadinho


Sank you very much disse-me num inglês marroquino muito suspeito para os dias que correm. Et voilá, cigarros acomodados no fundo da mala. Três cafés com gelo depois e era uma mulher diferente. Abria os olhos de outra maneira, se calhar as pálpebras inchadas do calor. Todas as cores super pastel. No fim do dia a certeza de uma televisão mal sintonizada à minha espera, nem um canal no sitio certo o que é mais ou menos uma comunhão tecnológica. Posto isto, nada melhor que ouvir a música errada à hora igualmente errada ie. qualquer uma pop sensacionalista com um refrão empolgante e doloroso. Para não destoar com uma barata a estrebuchar já de costas no chão. Olá pessoas com vidas perfeitas, como é que vocês fazem? Onde estão as senhas? Essas carteiras organizadas sem papelinhos amachucados, comemorar aniversários, gadjets com capinhas cor-de-rosa, room service, tarifários duo, agendas google sincronizadas, amor a pingar das pestanas, tantos bons amigos que escolher o número de emergência é um pincel e mais uma infinidade de coisas impossíveis de me lembrar agora que estou como estou. Não é que precise mesmo. Era só por curiosidade.